sicnot

Perfil

Desporto

Polícia encontra treinador do Atlético Goianiense desaparecido desde domingo

Ailton Cruz

A Polícia Civil do estado de Góias anunciou na segunda-feira ter localizado o treinador de futebol do Atlético Goianense, Marcelo Cabo, desaparecido desde a madrugada de domingo.

Num breve comunicado, a Polícia Civil limitou-se a informar que encontrou o técnico que levou o clube na época passada ao escalão principal do campeonato brasileiro, marcando para esta terça-feira uma conferência de imprensa para prestar mais esclarecimentos sobre o desaparecimento de Marcelo Cabo.

O Atlético Goianense tinha comunicado na segunda-feira às autoridades policiais o desaparecimento do treinador, que no sábado orientou a equipa no jogo de pré-temporada com o Gama, que a formação de Góias perdeu por 1-0.Cabo, de 50 anos, orientou no sábado a sua equipa no primeiro jogo da pré-temporada, e posteriormente esteve num convívio com amigos.

Ao regressar a casa em Goiânia, capital do estado de Goiás, no centro do Brasil, o técnico telefonou ao filho, por volta das 02.40 horas locais, para falar de assuntos de família, sendo apanhado pelas câmaras de segurança do edifício onde vive a sair novamente de casa.

Natural do Rio de Janeiro, Cabo começou a sua carreira como treinador em 2004 no modesto Bangú. Posteriormente, foi adjunto de Marcos Paquetá na seleção de Arábia Saudita e do ex-internacional Jorginho no Figueirense, assim como "olheiro" da seleção brasileira durante a primeira etapa no banco de Dunga.

Depois de treinar o Al-Nasr e o Al-Arabi, no Kuwait, voltou ao Brasil, onde iniciou uma trajetória por várias equipas modestas até assinar pelo Atlético Goianiense, em maio de 2016.

Com o "Dragão", conquistou o título de maior importância na história do clube, ao vencer a Serie B do Brasil a três jornadas do final, com 22 vitórias, dez empates e seis derrotas.

Lusa

  • Manifestação contra resultados do partido alemão de Extrema-Direita
    0:39
  • Ciclista Peter Sagan tricampeão do mundo

    Desporto

    O eslovaco Peter Sagan deixou este domingo mais uma marca na história do ciclismo, ao sagrar-se campeão do mundo de fundo pela terceira vez consecutiva, uma proeza inédita para norueguês ver e lamentar.