sicnot

Perfil

Desporto

Van Basten quer o futebol sem cartões amarelos e sem foras de jogo

© Arnd Wiegmann / Reuters

O holandês Marco van Basten, um dos melhores avançados da história e atual diretor técnico da FIFA, defendeu esta quarta-feira uma verdadeira revolução no futuro do futebol, incluindo a extinção do cartão amarelo e do fora de jogo.

Em entrevista à publicação germânica Sport Bild, o agora dirigente de 52 anos defendeu o aumento do número de substituições para seis e a figura do capitão de equipa como o único que pode falar diretamente com o árbitro.

"Estamos à procura de maneiras de melhorar o jogo, para que seja mais dinâmico, mais interessante e também mais honesto. Há muitas variações que vamos tentar nos próximos anos", afirmou Van Basten.

Para o ex-jogador de AC Milan e Ajax, os cartões amarelos devem ser substituídos por penalizações temporárias, com as equipas a ficarem reduzidas a "10 jogadores ou menos durante período de cinco a 10 minutos".

"Acho que isso deixaria a equipas com mais receio em fazer faltas. Também acho que se deveria aumentar o número de substituições. Ainda há pouco tempo, o Pep Guardiola perguntava-me a razão para não se poder fazer seis alterações num só encontro", referiu o holandês.

Além de abolir o fora de jogo, Marco van Basten quer introduzir um shoot-out, com os jogadores a terem cerca de oito segundos para marcar golo, isolados perante o guarda-redes, que não pode sair da grande área.

Em 2011, Van Basten foi 'trunfo' da candidatura de Bruno de Carvalho e esteve perto de ser treinador do Sporting, mas na altura o dirigente 'leonino' foi derrotado tangencialmente nas eleições, que resultaram na vitória de Godinho Lopes.

O holandês destacou-se nos anos 80 e 90 como um dos melhores avançados da história, tendo marcado mais de 300 golos durante a sua carreira.

Lusa

  • Vaca algarvia em risco de extinção
    3:42

    País

    É uma corrida contra o tempo e o risco iminente de extinção. Numa altura em que são conhecidos apenas cinco exemplares da raça bovina algarvia, a inseminação artificial parece ser a única forma de evitar o desaparecimento completo de uma raça que foi desaparecendo com as mudanças na agricultura.