sicnot

Perfil

Desporto

Madeira Rodrigues diz que vai despedir Jesus caso seja eleito no Sporting

Pedro Madeira Rodrigues

MANUEL DE ALMEIDA

Pedro Madeira Rodrigues, candidato a presidente do Sporting, revelou esta sexta-feira que, caso seja eleito, Jorge Jesus deixará de ser treinador do clube devido a ter integrado a comissão de honra da candidatura de Bruno de Carvalho.

"Ele (Jorge Jesus) escolheu um lado e isso tem consequências. A consequência imediata é que ele não será o meu treinador quando eu tomar posse a 04 de março", afirmou Madeira Rodrigues, numa conferência de imprensa que se realizou na sua sede de candidatura, em Lisboa.

O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, anunciou hoje que Jesus vai integrar a Comissão de Honra da sua recandidatura a novo mandato.

"Tenho o privilégio e o orgulho de poder contar na minha Comissão de Honra com o treinador Jorge Jesus", escreveu Bruno de Carvalho na sua página no Facebook.

Além de descartar Jesus, Madeira Rodrigues adiantou que irá apresentar uma solução para treinador do Sporting até 04 de março, dia em que se realizam as eleições para os órgãos sociais do clube lisboeta.

Bruno de Carvalho, presidente do clube desde 2013, e Pedro Madeira Rodrigues são, até ao momento, os candidatos anunciados à liderança do emblema "leonino".

Há quase quatro anos, Bruno de Carvalho venceu as eleições com 53,36% dos votos, impondo-se a José Couceiro, que obteve 45,35% e a Carlos Severino, que conseguiu 1,02%.

Lusa

  • Cinco mortos provocados pelo tufão Hato em Macau
    1:13
  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.