sicnot

Perfil

Desporto

Morreu espetador envolvido em acidente no Rali de Monte Carlo

Nikos Mitsouras

O espetador que tinha sofrido um ataque cardíaco na sequência do acidente do neozelandês Hayden Paddon no Rali de Monte Carlo acabou por falecer, anunciou na quinta-feira a organização.

"O WRC gostaria de expressar sinceras condolências à família e aos amigos da vítima do trágico acidente no Rali de Monte Carlo", começa por referir o comunicado do World Rally Championship.

Na mesma nota, o WRC explicou que o espetador em causa "foi transportado de helicóptero para o hospital e, apesar de todos os esforços da equipa médica, o espectador acabou por falecer".

"Está em curso uma investigação sobre o incidente e as partes envolvidas prestarão todos os esclarecimentos às autoridades", refere ainda o WRC.

A organização do rali explicou que o espetador estava a tirar fotografias quando o Hyundai de Hayden Paddon se despistou e ficou em estado grave em consequência do acidente, que aconteceu numa estrada com gelo.

Em memória deste espetador, a Huynday decidiu "retirar do rali o carro envolvido no acidente".O espetador, um espanhol de 50 anos, foi imediatamente transportado para o hospital Pasteur de Nice.

Devido a este incidente, a primeira especial do Rali de Monte Carlo, primeira prova do Mundial de ralis, foi anulada pela organização.

Terceiro piloto a iniciar a especial, o neozelandês perdeu o controlo do seu Hyundai, que capotou à entrada de uma curva no último terço da especial entre Entrevaux e Ubraye e acabou imobilizado no meio da estrada.

As imagens televisivas mostraram Paddon e o seu copiloto John Kennard a sair do carro, aparentemente ilesos.

Lusa

  • Alterações nos horários das farmácias têm o objetivo de evitar duplicação de serviços
    1:50
  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),