sicnot

Perfil

Desporto

Vice-primeiro-ministro russo diz que sexo pode distorcer testes de doping

© Sergei Karpukhin / Reuters

O vice-primeiro-ministro da Rússia e ex-ministro do Desporto, Vitaly Mutko, figura central do escândalo de doping no país, defendeu na quinta-feira que as relações sexuais dos atletas podem causar distorções nos resultados dos testes antidoping.

Vitaly Mutko, que foi promovido de ministro de Desporto a vice-primeiro-ministro, apesar da controvérsia em torno do escândalo de doping generalizado na Rússia, disse que o "ADN masculino" persiste em atletas por dias depois de terem relações sexuais.


Em declarações ao sítio Desporto-Express, na quinta-feira à noite, Vitaly Mutko disse que os russos são injustamente punidos e defendeu as mulheres atletas que falharam os testes.


"Um atleta pode beijar alguém que tenha tomado uma droga. Um atleta estrangeiro é reintegrado com base nisto, enquanto um russo é injustamente punido", acrescentou o governante russo.


Vitaly Mutko disse ainda que se uma atleta tiver relações sexuais cinco dias antes de fazer o teste antidoping, este poderá revelar resíduos de ADN masculino e distorcer o resultado.


Estas declarações surgem após a publicação em dezembro de 2016 do relatório do advogado canadiano Richard McLaren, que refere que o governo russo organizou um programa de doping durante os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, em Sochi.


Entre outras irregularidades detetadas, o relatório refere que duas jogadoras de hóquei no gelo apresentaram amostras com ADN masculino.
Mutko contraria ainda o relatório de Richard McLaren dizendo que ele não prova doping patrocinado pelo estado, uma vez que se baseia apenas em declarações de um homem, referindo-se ao ex-diretor do laboratório de doping de Moscovo, Grigory Rodchenkov.


A imagem da Rússia no desporto mundial foi severamente manchada pelo escândalo que viu a equipa de atletismo do país e toda a equipa paralímpica excluída dos Jogos do Rio2016.


Moscovo tem negado insistentemente qualquer esquema do governo para enganar na luta pelas medalhas. A Rússia permanece proibida de participar em provas internacionais de atletismo e a Agência Mundial Antidoping diz que o país tem ainda um longo caminho pela frente.


Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC