sicnot

Perfil

Desporto

Adepto do Bastia envolvido em insultos racistas a Balotelli "entregou-se" ao clube

© Jean-Paul Pelissier / Reuters

Um dos adeptos do Bastia que na sexta-feira proferiu insultos racistas contra o futebolista Mario Balotelli, do Nice, "entregou-se", anunciou esta quarta-feira o clube da Córsega, garantido que o homem está impedido de entrar no estádio Armand Cesari.

Segundo o Bastia, o adepto assumiu a culpa depois de um apelo lançado na comunicação social após a divulgação das imagens dos insultos proferidos contra o internacional italiano.

Em comunicado, o clube refere que o adepto já lamentou a sua atitude e garante que o mesmo já foi informado da proibição de entrar no estádio, no qual tinha lugar cativo.

Imagens transmitidas pela estação televisiva BeIN Sports, entretanto remetidas à comissão disciplinar da liga francesa de futebol, mostram alguns adeptos do Bastia a proferir insultos racistas a Mario Balotelli.

No domingo, a liga francesa "condenou com a maior firmeza os autores" de insultos racistas ao avançado italiano do Mario Balotelli reagiu aos incidentes na rede social Instagram.

"É normal que os adeptos do Bastia façam barulhos de macaco, com "uh uh", durante todo o jogo e ninguém da comissão disciplinar diga nada? O racismo é legal em França? Ou apenas em Bastia?", questionou o avançado italiano, que é descendente de imigrantes ganeses.

Lusa

  • Marcelo não comenta proposta sobre nomeação do governador do BdP
    0:14

    Economia

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar a proposta do grupo de trabalho para a reforma da supervisão financeira, que recomenda que o governador do Banco de Portugal seja nomeado pelo Presidente da República. Marcelo não quis comentar o assunto esta quarta-feira durante a tomada de posse do Reitor da Universidade de Lisboa.

  • Habitantes da favela da Rocinha temem novo episódio violento
    2:54

    Mundo

    Localizada no Rio de Janeiro, a Rocinha, maior favela do Brasil, foi palco de um tiroteio entre traficantes, no último fim de semana. Agora, pelo terceiro dia consecutivo, a polícia do Rio de Janeiro está a fazer um cerco em algumas favelas cariocas à procura de traficantes. A comunidade está assustada e receia que episódios violentos como este se repitam.