sicnot

Perfil

Desporto

Clubes da liga inglesa gastaram 250M€ na reabertura do mercado de transferências

© Reuters Staff / Reuters

Os vinte clubes da primeira liga inglesa de futebol gastarem 215 milhões de libras (cerca de 250 milhões de euros) na reabertura do mercado de transferências, que encerrou na terça-feira, revela esta quarta-feira um estudo da consultora Deloitte.

De acordo com estes números, trata-se do segundo maior valor gasto pelos clubes do primeiro escalão no mercado de inverno desde 2011.

No total, juntando as transferências operadas para a presente época, no "primeiro mercado", entre julho e agosto, os 20 clubes da primeira liga inglesa investiram 1.400 milhões de libras (mais de 1.600 milhões de euros).

Neste mercado de inverno, a diferença entre gastos e ganhos fixou-se no valor positivo de 40 milhões de libras (quase 47 milhões de euros), a primeira vez que foram anotados lucros.

Segundo Dan Jones, um dos responsáveis pelo departamento de Desporto da Deloitte, estes números positivos deveram-se, sobretudo, "às vendas de Óscar (do Chelsea para o Shanghai SIPG, por 60M€), Dmitry Payet (do West Ham para o Marselha, por 29M€), Odion Ighalo (do Watford para o Changchun Yatai, por 23,2M€) ou Memphis Depay (do Manchester United para o Lyon, por 16M€)".

Dan Jones disse ainda que "estas verbas não surpreendem", tendo em conta "as receitas que os clubes encaixaram com o novo acordo de direitos para as transmissões televisivas".

Clubes que lutam atualmente pela permanência no primeiro escalão, posicionados nos últimos seis lugares da tabela - Hull City, agora treinado por Marco Silva, Sunderland, Crystal Palace, Swansea, o atual campeão Leicester e Middlesbrough - investiram 110 milhões de libras (quase 130 milhões de euros) nesta reabertura do mercado.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11