sicnot

Perfil

Desporto

"Fiquei magoado com o presidente do Sporting"

O presidente do Sporting de Braga, António Salvador, disse esta quarta-feira, em entrevista à Sport TV, ter ficado "magoado" com Bruno de Carvalho pela forma como o Sporting chegou a acordo com o futebolista André Pinto.

O líder 'arsenalista' revelou ter recebido uma mensagem do presidente 'leonino' a dar conhecimento da contratação, a partir da próxima época, pelo Sporting do defesa central dos minhotos, que estava em final de contrato com o Braga e que, entretanto, tinha sido relegado para equipa B pelo treinador Jorge Simão, e deu o exemplo de como atuou com o Marítimo na contratação de Dyego Souza, um atleta em idênticas circunstâncias.

"Fiz um telefonema ao presidente do Marítimo e disse-lhe que queria contratar o Fransérgio e que ele tinha um jogador que se não o vendesse até final de janeiro passaria a ser jogador livre. Em vez de perder o Dyego livre, poderia ficar com uma parte do passe. E foi fácil chegar a acordo com o Marítimo. O que outros fizeram ao Braga, através do André Pinto, eu não queria fazer ao Marítimo. Sei o quanto custa e o quando dói", disse.

Revelando ter tentado renovar com André Pinto durante um ano, notou que o Sporting "está no seu legítimo direito porque a lei assim o permite". "Mas, se me pergunta, sim, fiquei magoado com o presidente do Sporting", sublinhou.

Também com o FC Porto houve uma polémica no 'mercado' de janeiro a propósito do médio Assis, tendo António Salvador relembrado que os 'dragões' se envolveram no negócio já depois de um acordo dos bracarenses com o Desportivo de Chaves e o jogador.

"Na altura, recebi um telefonema do presidente do FC Porto [Pinto da Costa] . Ele achava que tinha sido o Braga a colocar uma notícia a circular sobre a pessoa que estava a intermediar o negócio. Disse-lhe que não tinha sido o Braga e que se alguém tinha de estar chateado era o Braga porque já tinha um acordo com o jogador e com o Chaves quando o FC Porto apareceu. Mas da minha parte não há nenhum tipo de problema, acho que da parte dele também não", afirmou.

O dirigente também não ficou satisfeito com o presidente da Câmara Municipal de Braga, nomeadamente com a ausência do autarca da final da Taça da Liga, realizada no Algarve, que o Braga perdeu, no domingo, para o Moreirense (1-0), e com as críticas que Ricardo Rio fez à exibição da equipa, considerando que "faltou atitude" e que "a equipa não esteve à sua altura".
António Salvador referiu não saber "em que sentido" é que essas palavras foram proferidas "porque foram feitas a centenas de quilómetros da final".

"Gostava que ele tivesse estado lá, a apoiar o clube mais representativo da cidade, o maior embaixador da cidade, à semelhança do que fez o seu colega de Guimarães", apontou.

Salvador reforçou o desejo de ser campeão nacional de futebol nos próximos quatro anos, passando o plano por conseguir manter uma equipa base.

"Eu acredito nisso, mas também sei que é muito difícil. Não posso prometer que vou ser campeão, porque no desporto não se pode dizer isso, mas há uma grande ambição de ganhar no clube", afirmou.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.