sicnot

Perfil

Desporto

"Não apaguem a luz". Benfica contra petardos

PEDRO NUNES

O Benfica apelou hoje para que não se leve material pirotécnico e "outro tipo de material perigoso" para o Estádio da Luz, alertando para o risco de multas e eventuais jogos à porta fechada.

"Não apaguem a luz" é o título do comunicado, dirigido aos "sócios, adeptos e simpatizantes", com o clube a lembrar que esta época já pagou mais de 90 mil euros, "a exemplo do que tem acontecido com a generalidade dos clubes em competição".

Além das multas, há "riscos associados a outras graves sanções disciplinares que estão regularmente previstas e que podem passar pela realização de jogos à porta fechada".

"A segurança é também um bem de todos, e os recentes e graves acontecimentos noutros estádios - seguramente com consequências disciplinares verdadeiramente punitivas e preventivas - levam-nos a reforçar este apelo", reforça o clube, três dias antes da receção ao Nacional, para a Liga portuguesa.

Na terça-feira, foram levantados processsos disciplinares ao Sporting de Braga, devido aos petardos lançados na final da Taça da Liga contra o Moreirense, e ao FC Porto, pelos petardos lançados no jogo do campeonato que disputou em casa do Estoril-Praia, para o campeonato.

Lusa

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.