sicnot

Perfil

Desporto

Operário acusa União de Leiria de "querer justificar insucesso" com sucesso açoriano

Estádio Dr. Magalhães Pessoa, casa do União de Leiria / SIC

O presidente do Clube Operário Desportivo disse esta terça-feira "estar extremamente tranquilo" quanto às acusações da União de Leiria de que o resultado do jogo Operário-Caripinheirense (7-1), da série E do Campeonato de Portugal de futebol, é "deveras anormal".

"Quem não deve não teme. O Leiria está a querer justificar o insucesso com o sucesso que nós tivemos, alcançando a fase de subida. O Leiria andou a caluniar uma instituição desportiva e uma cidade", disse à agência Lusa Gilberto Branquinho.

Para o dirigente resta agora "às instâncias" analisar este processo e que se possa comprovar que os jogadores do Operário conseguiram aceder ao grupo da subida do Campeonato de Portugal, de acesso à II Liga de futebol, com "êxito e talento".

"Há elementos de transmissão, há com certeza análises do observador (da arbitragem) e da própria arbitragem e do delegado da Federação (Portuguesa de Futebol) no local. Essas situações pontuais desportivas terão de passar por esta base analítica, não vou ser eu que vou fazer as análises acerca do que aconteceu", sublinhou Gilberto Branquinho.

O presidente do Clube Operário Desportivo assume estar "extremamente calmo" e aguarda a análise da Federação Portuguesa de Futebol, sendo que, até agora, o clube da cidade da Lagoa, na ilha de São Miguel, "não teve qualquer contacto oficial" por parte desta entidade.

"Estou extremamente calmo nesse sentido, eu, presidente do Clube Operário Desportivo e o Clube Operário Desportivo não teve incidência no desfecho final deste jogo e, como tal, não tenho de fazer nada. Poderei tomar medidas se isso continuar com esses contornos, mas a Federação Portuguesa de Futebol é idónea, tem os seus gabinetes próprios para averiguar com todos os elementos fornecidos", afirmou.

O encontro em causa, disputado a 29 de janeiro deste ano, terminou com 7-1 favorável ao Operário, facto que afastou a União de Leiria da fase de subida à II Liga (por um golo de diferença) e levou a SAD leiriense a apresentar uma participação disciplinar à Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

Em comunicado, a SAD da União de Leiria considerou que o resultado do Operário-Carapinhense foi "milagre divino", tendo havido "incidências de carácter anormal e deveras estranho".

A equipa visitada marcou "seis golos seguidos em 25 minutos (os últimos) de jogo", frente a um adversário que "nunca tinha sofrido mais do que quatro golos num só jogo".

A União de Leiria SAD lançou também um apelo, oferecendo uma recompensa sobre informações sobre o jogo Operário Laga-Carapinhense, da última jornada da série E do Campeonato de Portugal de futebol, cujo resultado considera "deveras anormal".

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42