sicnot

Perfil

Desporto

Vice-primeiro-ministro russo diz que treinadores de atletismo não sabem trabalhar sem doping

© Maxim Shemetov / Reuters

O vice-primeiro-ministro russo, Vitaly Mutko, afirmou esta terça-feira que muitos treinadores de atletismo do seu país não sabem trabalhar sem recurso ao doping.

"Os atletas quebraram regras e muitos treinadores não sabem trabalhar sem recorrer ao doping, é hora de se retirarem", afirmou Mutko, em declarações à agência noticiosa russa R-Sport.

Pouco antes destas afirmações, Mutko admitiu que a decisão da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) de continuar a impedir os atletas da Rússia de competirem em provas oficiais no estrangeiro, anunciada na segunda-feira, já era esperada.

Na segunda-feira, a IAAF anunciou que a Rússia vai continuar impedida de competir internacionalmente, pelo menos até novembro de 2017, o que impedirá o país de estar representado nos Mundiais de Londres, de 4 a 13 de agosto.

Mutko voltou a admitir que no passado foram cometidos "numerosos abusos e violações de regras", mas negou o envolvimento do Estado nesses ilícitos, ao contrário do que é indicado pelo relatório McLaren, que trouxe a público um esquema de doping organizado no país.

O atletismo russo está suspenso desde novembro de 2015 por doping, pelo que os seus competidores falharam os Jogos Olímpicos Rio2016, sendo que não poderão também apresentar-se nos Europeus de pista de Belgrado em fevereiro, nem aos Mundiais de agosto em Londres.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.