sicnot

Perfil

Desporto

Alexandre Pato condenado a pagar 1,5 milhões de euros ao fisco brasileiro

© Umit Bektas / Reuters

O futebolista brasileiro Alexandre Pato foi esta quarta-feira condenado a pagar cinco milhões de reais (cerca de 1,5 milhões de euros) ao fisco brasileiro em impostos e multas depois de ter declarado os impostos como figura jurídica.

Através da declaração como entidade jurídica em vez de física, o avançado do Tianjin Quanjian (China) pagou no Brasil menos impostos, explicou hoje o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF).

O internacional brasileiro, de 27 anos, utilizou a empresa Alge, da qual é socio juntamente com o pai, para receber receitas relativas aos direitos de imagem em 2006 e 2007, quando representava o Internacional de Porto Alegre.

A mesma empresa esteve envolvida na transferência do jogador para os italianos do AC Milan, em 2007. A defesa do atleta já garantiu que vai recorrer da sentença.

Ainda hoje, o CARF espera analisar também o procesos que envolve o avançado do Barcelona Neymar, que recorreu da sentença de cerca de 56 milhões de euros por evasão fiscal e fraude que foi ditada a 04 de março de 2016.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.