sicnot

Perfil

Desporto

Queniana Peres Jepchirchir bate recorde mundial da meia maratona

(Arquivo)

© Siegfried Modola / Reuters

A queniana Peres Jepchirchir bateu esta sexta-feira o recorde do mundo da meia maratona, ao cumprir os 21,0975 quilómetros em 1:05.06 horas, em Ras Al Khaimah, nos Emirados Árabes Unidos.

Jepchirchir retirou três segundos à anterior marca, que pertencia desde 15 de fevereiro de 2015 à sua compatriota Florence Jebet Kiplagat.

A nova recordista mundial da meia maratona bateu também o recorde mundial dos 20 quilómetros, com o tempo de 1:01.40 horas.

Na meia maratona de Ras Al Khaimah, Jepchirchir superou as compatriotas Mary Keitani (1:05.13) e Joyciline Jepkosgei (1:06.08), que completaram o pódio da corrida.

O também queniano Bedan Karoki Muchiri venceu a prova masculina, com o tempo de 59.10 minutos, a segunda melhor marca de todos os tempos, à frente do etíope Yigrm Demelash (59.19) e do seu compatriota Augustine Choge (59.26).

O recorde mundial masculino pertence a Zersenay Tadese, da Eritreia, desde 21 de março de 2010, quando foi cronometrado em 58.23 minutos na meia maratona de Lisboa.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.