sicnot

Perfil

Desporto

Jogo do campeonato angolano não foi interrompido durante o incidente

Jogo do campeonato angolano não foi interrompido durante o incidente

Pelo menos 17 pessoas morreram e mais de 60 ficaram feridas quando tentavam entrar num estádio de futebol no Uíge, no norte de Angola. Os dois técnicos portugueses garantem que não imaginavam o que estava a acontecer fora do recinto.

  • Federação angolana garante que estádio tinha condições de segurança
    4:18

    Opinião

    Silva Candembo, um jornalista angonalo, esteve ao telefone com a Edição da Noite para comentar o incidente desta sexta-feira no estádio 04 de Janeiro, na cidade do Uíge, que provocou pelo menos 17 mortos. O jornalista diz que falou com a Federação Angolana de Futebol que garantiu que o estádio tinha condições de segurança para receber o evento. A Federação acrescenta ainda que na semana passada realizou uma inspeção ao estádio que teve nota positiva.

  • "Estamos devastados"
    4:51

    Opinião

    O treinador português do Santa Rita de Cássia diz que ficou muito abalado com a tragédia no jogo entre as duas equipas para o arranque do campeonato angolano de futebol. Pelo menos 17 pessoas morreram na cidade do Uíge ao forçarem a entrada no estádio, para assistirem ao jogo entre o Santa Rita e o Recreativo de Libolo. Sérgio Traguil confessa que só percebeu o que se tinha passado no fim do jogo.

  • Segurança no estádio angolano terá sido "descurada"
    4:31

    Desporto

    Daúto Faquirá esteve ao telefone em direto, na SIC Notícias, onde falou sobre a tragédia no estádio de futebol da cidade angolana de Uíge, onde pelo menos 17 pessoas morreram e mais de 70 tiveram de ser hospitalizadas. O comentador da SIC diz que a segurança deste jogo deve ter sido "descurada". Faquirá diz ainda que já falou com um dos atletas de uma das equipas que estava a jogar - o Libolo -, que lhe disse que nem ele nem os seus colegas se aperceberam do que estava a acontecer no exterior do Estádio. As imagens podem chocar.

  • Vítimas da tragédia em Angola terão sido esmagadas pela queda de portão
    4:13

    Desporto

    Silva Cadembo esteve em direto ao telefone, na SIC Notícias, onde falou sobre a tragédia no estádio de futebol em Uíge, Angola, onde morreram pelo menos 17 pessoas. O jornalista angolano diz que entre as vítimas mortais, muito provavelmente, estarão crianças, uma vez que naquela cidade um dos únicos entretenimentos é o futebol. Segundo Cadembo, as pessoas terão morrido "esmagadas, eventualmente pelo portão de acesso". As imagens podem chocar.

  • Sessão solene no Parlamento e desfile popular nas celebrações do 25 de Abril

    País

    Os 43 anos da Revolução dos Cravos são hoje comemorados com a sessão solene no Parlamento e o tradicional desfile popular, tendo o Presidente da República escolhido o 25 de Abril para condecorar, a título póstumo, Francisco Sá Carneiro. A SIC Notícias acompanha esta manhã a sessão solene na Assembleia da República. Veja aqui em direto.

  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.