sicnot

Perfil

Desporto

Jéssica Augusto termina em terceiro lugar Meia Maratona de Barcelona

A portuguesa Jéssica Augusto foi hoje terceira classificada na 27.ª edição da Meia Maratona de Barcelona, Espanha, numa corrida que foi ganha pela queniana Florence Jebet Kiplagat, que falhou a tentativa de recuperar o recorde mundial da distância.

A atleta do Sporting completou os 21,0975 quilómetros em 1:10.36 horas, enquanto Kiplagat, que tinha perdido o recorde do mundial na sexta-feira, para a também queniana Peres Jepchirchir, foi cronometrada em 1:08.15, registo distante da nova marca (1:05.06).

Esta foi a quarta vitória consecutiva de Kiplagat na Meia Maratona de Barcelona, numa edição que contou com 17.859 atletas (5.454 na corrida feminina).
O segundo lugar do pódio em Barcelona foi ocupado pela etíope Kuma Dibaba, com o tempo de 1:09.49.

O novo recorde mundial da 'meia' tinha sido alcançado por Jepchirchir na Meia Marataona de Ras El Kaimah, nos Emirados Árabes Unidos, retirando três segundos à marca de Kiplagat, que 'resistia' desde 15 de fevereiro de 2015.
Nessa corrida, Jepchirchir bateu também o recorde mundial dos 20 quilómetros, com o tempo de 1:01.40 horas.

Em masculinos, a vitória foi também para um atleta queniano, Leonard Langat Kipchoeg, cronometrado com o tempo de 1:00.52 horas, seguido dos compatriotas Meshsak Koech (1:00.54) e Joel Kimure (1:00.59).

Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33