sicnot

Perfil

Desporto

Benfica procura manter viva chama da qualificação frente ao Dortmund

O Benfica, tricampeão nacional de futebol, procura esta terça-feira manter viva a chama da qualificação para os quartos de final da Liga dos Campeões, ao receber o favorito Borussia Dortmund na primeira mão dos "oitavos".

O líder da I Liga portuguesa, com um ponto de vantagem sobre o rival FC Porto - que defronta a Juventus na próxima semana -, apurou-se sempre para a eliminatória seguinte nas três vezes em que atingiu esta fase da prova e desde que foi adotado o formato com uma fase inicial de grupos.

Para manter a tradição, o Benfica precisa de superar o Dortmund, que tem no ataque e no avançado gabonês Pierre-Emerick Aubameyang as suas maiores armas, ao ponto de estabelecer novo recorde de golos na fase de grupos, com um total de 21, dos quais o Sporting sofreu apenas três, nas derrotas por 2-1 e 1-0.

Um dia após ter completado 36 anos, o defesa Luisão pode disputar o 500.º jogo com a camisola "encarnada" no confronto com a equipa alemã, para o qual o treinador do Benfica, Rui Vitória, está privado de Grimaldo, Lisandro López e Sálvio, todos lesionados, e de Zivkovic, suspenso, enquanto o goleador Jonas será dúvida até pouco antes do início da partida.

Os dois clubes apenas se defrontaram uma vez nas competições europeias, há mais de meio século, na segunda ronda da Taça dos Campeões da época 1963/1964, com a equipa lisboeta a ficar pelo caminho, depois de ter vencido em casa por 2-1 e sido goleada na Alemanha por 5-0.

O encontro entre o Benfica e o Borussia Dortmund, que será arbitrado pelo italiano Nicola Rizzoli, realiza-se no Estádio da Luz, em Lisboa, a partir das 19:45, hora do início do outro encontro da prova marcado para hoje, entre os franceses do Paris Saint-Germain e os espanhóis do FC Barcelona.

Lusa

  • Partidos exigem explicações sobre transferências para offshores entre 2011 e 2014

    Economia

    O PS junta-se ao PCP, o Bloco de Esquerda e o PSD no pedido para a audição urgente do antigo e o atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais sobre a falta de controlo do Fisco às transferências de dinheiro para paraísos fiscais. Em causa está a transferência de 10 mil milhões de euros para offshores. O CSD é o único partido que ainda não se pronunciou.