sicnot

Perfil

Desporto

Franck Passi é o novo treinador do Lille de Éder, Rony Lopes e Xeka

© Jean-Paul Pelissier / Reuters

Franck Passi é o novo treinador do Lille, dos futebolistas portugueses Éder, Rony Lopes e Xeka, sucedendo a Patrick Collot, que em novembro de 2016 rendeu interinamente Fédéric Antonetti, confirmou esta terça-feira o presidente do clube francês, Gerard Lopez.

"Franck Passi vai substituir Patrick Collot, numa decisão que se enquadra numa estratégia mais alargada", disse Gerard Lopez à agência noticiosa AFP, após o Lille ter somado a terceira derrota consecutiva frente ao Angers (2-1).

O treinador Franck Passi, de 50 anos, deixou o comando técnico do Marselha em outubro de 2016, tendo sido substituído por Rudi Garcia, e é a aposta de Gerard Lopez para travar os rumores que davam conta da hipótese Marcelo Bielsa.

Patrick Collot, de 49 anos, foi nomeado em 22 de novembro de 2016 como treinador interino, após a demissão de Frédéric Antonetti, e em 26 de janeiro tinha anunciado que permaneceria até ao final da época se os resultados fossem positivos.

Na altura, o Lille ocupava a 14.ª posição da I liga gaulesa, mas presentemente está no 17.º posto, com 26 pontos nos 25 jogos realizados, sendo o primeiro clube acima da linha de despromoção, com um ponto de vantagem sobre o Caen.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.