sicnot

Perfil

Desporto

Treinador dos San Antonio Spurs pede a Trump que seja "mais inclusivo" com as comunidades

Gregg Popovich, treinador dos San Antonio Spurs, da Liga norte-americana de basquetebol (NBA), pediu esta terça-feira ao Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para ser "mais inclusivo" com as várias comunidades do país "que menosprezou na campanha".

Antes do jogo de segunda-feira no recinto dos Indiana Pacers, que os Spurs venceram por 110-106, Popovich, que 'guiou' os texanos a cinco títulos na NBA, lamentou que Donald Trump esteja "a agir como se nada tivesse acontecido" durante a campanha.

"Quando assumiu a presidência, não teve o cuidado de serenar os grupos que menosprezou durante a campanha. Ainda não disse nada sobre as mulheres, negros, hispânicos, a comunidade LGBT ou os deficientes. Ele está a comportar-se como se nada tivesse acontecido", afirmou o técnico.

Para Popovich, o novo presidente dos Estados Unidos "comportou-se durante a campanha de forma inaceitável, mesmo nojenta", com atitudes que "mostraram que fez tudo para angariar votos".

"Mesmo as pessoas que votaram nele estão a aperceber-se disso, mas, de alguma forma, sentem que Donald Trump merece ser perdoado. A sua personalidade, as suas palavras e as suas decisões são assustadoras", considerou o treinador.

Mesmo assim, Popovich desejou que Trump "tenha sucesso" na sua presidência e que "faça coisas boas para toda a gente".

Lusa

  • Cinco mortos provocados pelo tufão Hato em Macau
    1:13
  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.