sicnot

Perfil

Desporto

Conselho de Disciplina da FPF mantém castigo de Rui Vitória

SEDAT SUNA

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol rejeitou o recurso do Benfica sobre o castigo de Rui Vitória. Em comunicado, o órgão federativo considerou as declarações do treinador ao quarto árbitro da meia-final da Taça da Liga com o Moreirense "injuriosas e ofensivas".

Em causa está a expressão "Parabéns, já conseguiste o que querias!", que Rui Vitória terá dirigido ao juiz Paulo Ramos.

O Conselho da FPF considera que a declaração extravasa os limites em que a Constituição da Republica Portuguesa protege a liberdade de expressão.

Dirigindo-se depois a toda a equipa de arbitragem, liderada por Tiago Martins, o treinador terá afirmado que "Isto é uma vergonha! Vieram para aqui tantos fazer o quê?".

Sobre estas expressões o Conselho de Disciplina considera que a frase "não encerra conotação injuriosa". Aquele órgão lembra que o técnico "foi punido pelas sanções mínimas regularmente admissíveis", por isso, considera nada ter a ponderar no recurso.

Apesar de o treinador já ter cumprido a suspensão de 15 dias, o Benfica ainda pode recorrer para o Conselho de Justiça ou para o Tribunal Arbitral do Desporto.

O técnico foi ainda multado em 3.825 euros.

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.