sicnot

Perfil

Desporto

UNITA acusa polícia de contribuir para a tragédia num estádio de futebol em Uíge

Tekassala Toco Facebook

A UNITA, maior partido da oposição angolana, acusou esta quarta-feira a polícia nacional de "ter contribuído" para os incidentes que na sexta-feira provocaram 17 mortos num estádio de futebol na província do Uíge e pediu o apuramento de responsabilidades.

A posição da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) foi manifestada pelo secretário-geral do partido, Franco Marcolino Nhany, em conferência de imprensa em que foi analisada a situação política atual do país.

"Os relatos indiciam que a polícia terá contribuído, de alguma forma, para o pânico, ao utilizar gás lacrimogéneo para dispersar a multidão impaciente junto dos portões do estádio", referiu o político.

Pelo menos 17 pessoas morreram, na sexta-feira, na cidade do Uíge, norte do país, quando alegadamente forçaram a entrada no estádio municipal 4 de Janeiro para assistirem ao jogo entre o Santa Rita de Cássia, treinado por Sérgio Traguil, e o Recreativo de Libolo, de Vaz Pinto, na ronda inaugural do Girabola.

Os relatos locais apontam para um incidente logo aos sete minutos de jogo, quando centenas de pessoas invadiram um dos portões do mesmo estádio, originando quedas e fazendo com que dezenas de pessoas fossem pisadas entre a confusão.

O incidente terá provocado também mais de 60 feridos.

"Em nome da direção do partido, inclinamo-nos diante das vítimas da tragédia do Uíge, esperando, contudo, que sejam apuradas, o mais rapidamente possível, as devidas responsabilidades e sejam tornadas públicas", observou Franco Marcolino Nhany.

Em comunicado, o Ministério da juventude e Desportos manifestou profunda consternação pelas mortes e solicitou às direções da Federação Angolana de Futebol, a Associação de Futebol local e às autoridades da província do Uíge, que averiguem as causas do acontecimento e tomem as medidas que se impõem.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.