sicnot

Perfil

Desporto

Adeptos russos prometem "festival de violência" no Mundial 2018

Os hooligans russos prometeram um "festival de violência" no Mundial de futebol de 2018, numa reportagem emitida na quinta-feira pela BBC-2. As autoridades russas qualificaram o programa de "propaganda destinada a desacreditar" a organização do torneio.

"Para alguns será um festival de futebol, para outros será um festival de violência", ameaçou um hooligan, filmado perto da Arena Rostov, um dos estádios da fase final do Campeonato do Mundo, que será organizado pela Rússia, no documentário da BBC 2 (apenas disponível no Reino Unido).

Para o responsável máximo pela segurança da Federação Russa de Futebol, Vladimir Markin, o documentário da BBC, intitulado "Hooligan Army" [Exército Hooligan] insere-se numa "campanha de propaganda destinada a desacreditar a Rússia, o futebol russo e o Mundial".

Markin defendeu que o principal objetivo do trabalho jornalístico era influenciar os adeptos britânicos, demovendo-os de viajarem para a Rússia para a apoiar a sua seleção, caso se qualifique para a fase final, que se vai disputar entre 14 de junho e 15 de julho de 2018.

"A Rússia deu todas as garantias em matéria de segurança, que foram aceites, e cumprirá plenamente com as suas obrigações", disse o vice-primeiro ministro russo, Vitaly Mutko, que desempenha também as funções de presidente da comissão organizadora da prova.

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15