sicnot

Perfil

Desporto

Restrições de Trump podem impedir candidatura ao Mundial de futebol

© Jonathan Ernst / Reuters

O polémico decreto anti-imigração do presidente Donald Trump poderá inviabilizar os Estados Unidos de acolher o Mundial de futebol de 2026, advertiu hoje o presidente da FIFA, Gianni Infantino.

Os EUA são apontados como o principal favorito a organizar o Mundial2026, alargado de 32 para 48 seleções, quer como único anfitrião ou aliado a uma candidatura conjunta com os vizinhos México e Canadá.

Mas com Donald Trump a tentar banir e impedir cidadãos de vários países de maioria muçulmana a entrar no país, Gianni Infantino considera que os EUA podem nem sequer estar em posição de apresentar uma candidatura.

"Trump é o presidente dos EUA e, como tal, tenho um enorme respeito pelo que faz", disse Gianni Infantino, acrescentando que "ele foi eleito para, juntamente com o Governo, tomar as decisões que entender serem as melhores para o país".

No entanto, recorda Gianni Infantino, "o papel da FIFA é o de assegurar que todas as equipas qualificadas para o Mundial, incluindo dirigentes e adeptos, tenham acesso ao país organizador, ou, caso contrário, não haverá competição".

Gianni Infantino subscreve assim a posição já assumida pelo presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, de que o Mundial não pode ser disputado num país com claras imposições restritivas de viajar.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.