sicnot

Perfil

Desporto

Restrições de Trump podem impedir candidatura ao Mundial de futebol

© Jonathan Ernst / Reuters

O polémico decreto anti-imigração do presidente Donald Trump poderá inviabilizar os Estados Unidos de acolher o Mundial de futebol de 2026, advertiu hoje o presidente da FIFA, Gianni Infantino.

Os EUA são apontados como o principal favorito a organizar o Mundial2026, alargado de 32 para 48 seleções, quer como único anfitrião ou aliado a uma candidatura conjunta com os vizinhos México e Canadá.

Mas com Donald Trump a tentar banir e impedir cidadãos de vários países de maioria muçulmana a entrar no país, Gianni Infantino considera que os EUA podem nem sequer estar em posição de apresentar uma candidatura.

"Trump é o presidente dos EUA e, como tal, tenho um enorme respeito pelo que faz", disse Gianni Infantino, acrescentando que "ele foi eleito para, juntamente com o Governo, tomar as decisões que entender serem as melhores para o país".

No entanto, recorda Gianni Infantino, "o papel da FIFA é o de assegurar que todas as equipas qualificadas para o Mundial, incluindo dirigentes e adeptos, tenham acesso ao país organizador, ou, caso contrário, não haverá competição".

Gianni Infantino subscreve assim a posição já assumida pelo presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, de que o Mundial não pode ser disputado num país com claras imposições restritivas de viajar.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15