sicnot

Perfil

Desporto

O primeiro futebolista com mais de 50 anos a marcar na liga japonesa

Kazuyoshi Miura continua a bater recordes de longevidade e este domingo tornou-se no primeiro futebolista com mais de 50 anos a marcar um golo na liga japonesa de futebol.

Uma semana depois de ter ultrapassado o recorde de longevidade como futebolista profissional do inglês Stanley Matthews, Kazu, com 50 anos e 14 dias, deu hoje o triunfo ao Yokohama FC sobre o Thespakusatsu Gunma, por 1-0, com um remate de pé esquerdo aos 40 minutos.

"Estou sempre à procura de oportunidades para marcar golos. Estava a sentir-me particularmente bem hoje e sentia que poderia marcar", disse o 'rei Kazu', como é conhecido.

Há uma semana, Miura, que nasceu a 26 de fevereiro de 1967, superou o recorde de Stanley Matthews, estabelecido no jogo entre o Stoke City e o Fulham, em 1965, ao atuar no empate com o V-Varen Nagasaki, com 50 anos e sete dias, dois dias mais velho do que o inglês.

Miura tenciona jogar até aos 60 anos e foi pioneiro a mostrar o futebol japonês ao mundo na década de 90, quando se transferiu para o clube italiano Génova.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras