sicnot

Perfil

Desporto

TAS proibe médico russo envolvido em escândalo de doping de exercer no desporto

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) proibiu hoje Serguei Portugalov, acusado de ser o médico responsável por práticas de doping no atletismo russo, de exercer funções em áreas ligadas ao desporto.

A sanção aplicada ao médico foi anunciada pela Federação de Atletismo da Rússia mas ainda não foi confirmada pelo TAS.

Em 2015, baseando-se nas acusações que davam conta do envolvimento de Portugalov em casos de doping, a Agência Mundial Antidopagem (AMA) pediu que o médico fosse proibido de trabalhar em áreas relacionadas com o desporto.

A Rússia foi suspensa das competições internacionais depois de o relatório McLaren, da AMA, ter revelado um sistema de dopagem alargado, com apoio estatal.

Depois de o Comité Olímpico Internacional (COI) ter colocado a decisão nas federações de modalidade, muitas atletas russos foram impedidos de participar nos Jogos Olímpicos Rio2016.

O Comité Paralímpico Internacional (IPC) foi mais longe e baniu a Rússia dos Jogos Paralímpicos 106, disputados também no Rio de Janeiro.

Lusa

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38