sicnot

Perfil

Desporto

Chelsea vence em campo difícil e está cada vez mais perto do título

PETER POWELL

Um golo de Gary Cahill, muito perto do final, deu este sábado importante triunfo ao Chelsea na liga inglesa de futebol, na difícil visita ao Stoke City (2-1), que deixa os 'blues' cada vez mais próximos do título.

A equipa londrina, de Antonio Conte, foi a primeira a marcar, por Willian - num livre lateral com culpas para o guarda-redes contrário -, aos 13 minutos, mas o Stoke ainda empatou antes do intervalo, de grande penalidade.

Walters converteu o castigo máximo, aos 38 minutos, que puniu um derrube pelas costas de Cahill.

Num jogo de muito sofrimento, o Chelsea conseguiria, no entanto, voltar à vantagem, com o mesmo Cahill a redimir-se e a surgir na pequena área para fazer o 2-1 muito perto do fim e quando se podia pensar que os 'blues' seriam travados, aos 87 minutos.

A situação ainda se complicou mais para a equipa da casa, que já tinha imposto um empate ao Manchester United, depois de Bardsley ver o segundo amarelo e ser expulso já nos descontos, aos 90+5.

O triunfo, o quinto consecutivo numa série de 12 jogos sem perder, afirma cada vez mais o Chelsea como um 'candidato isolado' ao título inglês.

A equipa tem 13 pontos de vantagem para Tottenham e Manchester City, embora estes tenham menos um jogo do que os 'blues'.

Cada vez mais longe de qualquer aspiração a vencer está o Arsenal, de Arséne Wenger, derrotado este sábado pelo West Bromwich (3-1).

Os 'gunners', que viram Petr Cech sair lesionado, continuam em queda livre e dividem-se no apoio ao treinador francês, que viu um avião sobrevoar o estádio com a mensagem "Out" (fora) e outro, aos 16 minutos, que mostrava o seu apoio.

A derrota deixa o Arsenal num 'impensável' quinto lugar, a 19 pontos do Chelsea.

Também este sábado, na 29.ª ronda, o Hull City, de Marco Silva, saiu derrotado na visita ao Everton, num jogo em que a equipa da casa goleou (4-0) a partir do momento em que os visitantes ficaram reduzidos a dez, por expulsão de Huddlestone, aos 73.

O Everton, que vencia por 1-0, dilatou então a vantagem, com os dois últimos dois golos a acontecerem já nos descontos (90+1 e 90+4) por intermédio da estrela e internacional belga Lukaku.

O Hull está no 18.º lugar, o primeiro da zona de descida, a três pontos do Swansea (17.º), que ainda defronta este sábado fora a equipa do Bournemouth.

O campeão Leicester continua transfigurado desde a saída do técnico que o levou a um inédito título, Claudio Ranieri, com os 'foxes' a somarem uma série de importantes triunfos desde o despedimento do italiano.

Este sábado venceram fora o West Ham (3-2), com José Fonte a titular, e somam quatro triunfos desde 27 de fevereiro, um dos quais a eliminar o Sevilha e a garantir a equipa campeã inglesa nos quartos de final da Liga dos Campeões.

Lusa

  • Avião cruza-se com drone a 900 metros de altitude
    2:01
  • Naufrágio na Colômbia registado em vídeo
    2:11
  • PSP descentraliza a regularização de armas
    3:55

    País

    A PSP de Bragança percorreu os 12 concelhos do distrito ao encontro dos proprietários de armas com vista à sua regularização. A iniciativa, que pretende evitar a deslocação das pessoas à capital de distrito, teve uma forte adesão.

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • O último adeus a Miguel Beleza

    País

    O velório do economista e ex-ministro das Finanças realiza-se esta segunda-feira na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, a partir das 18h00.

  • Trump quebra tradição da Casa Branca com 20 anos

    Mundo

    Donald Trump decidiu não fazer um jantar de celebração pelo fim do Ramadão, o mês em que os muçulmanos cumprem jejum entre o nascer e o pôr do sol. O Presidente dos Estados Unidos quebrou a tradição da Casa Branca, pela primeira vez em 20 anos.