sicnot

Perfil

Desporto

FC Porto de regresso aos treinos sem oito internacionais

O FC Porto regressou esta segunda-feira ao trabalho, após o assalto falhado à liderança da I Liga de futebol, no empate frente ao Vitória de Setúbal, com uma sessão marcada pela ausência de oito internacionais.

De acordo com o sítio dos 'dragões', Danilo e André Silva (seleção A), Rúben Neves e Diogo Jota (seleção sub-21), Rui Pedro (seleção sub-19), Herrera e Layún (México) e Maxi (Uruguai) falharam a sessão por se encontrarem envolvidos em compromissos internacionais.

Sem qualquer jogador entregue aos cuidados do departamento médico, o treinador Nuno Espírito Santo chamou ao treino do plantel principal o guarda-redes da equipa de sub-19 Ricardo Silva.

O plantel do FC Porto cumpre terça-feira um dia de folga, e retoma os treinos na quarta-feira, pelas 10:30, no Olival, com uma sessão que terá os primeiros 15 minutos abertos à comunicação social.

Com o campeonato parado para a realização dos compromissos das seleções, o próximo jogo dos 'dragões' é a 1 de abril, frente ao líder e tricampeão Benfica, no Estádio da Luz, para a 27.ª jornada da I Liga.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.