sicnot

Perfil

Desporto

Vardy admite que recebeu ameaças de morte após saída de Ranieri

O avançado inglês admitiu esta segunda-feira que recebeu, através das redes sociais, ameaças de morte depois de o Leicester ter despedido o treinador Cláudio Ranieri, que conduziu a equipa ao título de campeão inglês de futebol.

O treinador italiano deixou o clube, ainda campeão em título, há cerca de um mês, com a equipa a lutar pela manutenção, tendo sido noticiado que Vardy teria tido influência na saída de Ranieri.

No estágio da seleção inglesa, Vardy referiu que tem recebido "ameaças de morte à família, filhos", sobretudo nas redes sociais, mas também tem sido abordado na rua.

"Os adeptos de futebol não parecem gostar de mim. Eu deixo andar, mas quando as pessoas abordam a tua mulher quando ela está a conduzir sozinha, com as crianças na parte de trás do carro, não é bom. Já aconteceu várias vezes", lamentou.

O avançado negou ter estado em reuniões que levaram ao despedimento de Ranieri, revelando que numa dos dias em que alegadamente tinha tido um encontro passou três horas num controlo antidoping.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.