sicnot

Perfil

Desporto

Polícia examinou objeto suspeito junto ao estádio do Dortmund

Martin Meissner

A polícia alemã examinou um objeto suspeito encontrado esta quarta-feira junto ao estádio do Borussia Dortmund, que obrigou a encerrar temporariamente uma das saídas do recinto, depois do final do jogo com o Mónaco, da Liga dos Campeões de futebol.

O clube e a polícia local pediram aos adeptos, através de publicações nas suas contas nas redes sociais, que abandonassem ordeiramente o Signal Iduna Park pelas outras saídas do recinto.

Na conta do Twitter da polícia da Renânia do Norte-Vestfália foi revelado que estava a ser examinado um objeto suspeito encontrado junto a um dos acessos ao estádio.

O Dortmund explicou, pouco depois, que se tratou de uma medida de segurança depois de terem sido encontradas, nas redondezas do Signal Iduna Park, duas mochilas abandonadas e uma moto.

O jogo da primeira mão dos quartos de final da Liga dos Campeões entre os alemães e o Mónaco, que acabou com a vitória dos franceses por 3-2, foi hoje disputado entre fortes medidas de segurança, depois de, na terça-feira, o autocarro do Dortmund ter sido atingido por três explosões.

O ataque ocorreu pelas 19:15 hora local (18:15 em Lisboa), quando três engenhos explodiram à passagem do autocarro do Borussia Dortmund, quando a equipa saía da unidade hoteleira onde esteve concentrada rumo ao estádio.

O único jogador ferido foi o espanhol Marc Bartra, operado esta noite num hospital de Dortmund devido a uma lesão no pulso direito.
Também ficou ferido um polícia que acompanhava, de moto, o autocarro.

A justiça alemã informou hoje que o ataque contra o autocarro do Borussia Dortmund está a ser investigado como um "atentado terrorista" com "motivações islâmicas", acrescentando que tem dois suspeitos e já deteve um deles.

Lusa

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.