sicnot

Perfil

Desporto

Cinco atletas russos suspensos dois anos por doping

Valentin Flauraud

As autoridades russas anunciaram esta quarta-feira a suspensão por dois anos de cinco atletas, por terem acusado positivo ao esteróide turinabol em controlos antidoping efetuados durante os Jogos Olímpicos Londres 2012 e outras competições internacionais.

Entre os cincos atletas suspensão estão Antonina Krivoshapka e Yevgenia Kolodko, que já tinham sido desapossadas das medalhas de prata que conquistaram na estafeta de 4x400 metros e no lançamento do peso, respetivamente, em Londres2012.

Krivoshapka poderá agora perder a medalha de ouro conquistada na estafeta de 4x400 metros e de bronze que alcançou na prova individual da mesma distância dos Mundiais de 2013, enquanto Kolodko pode ser desapossada da prata nos Europeus de pista coberta realizados naquele ano.

Os outros três atletas suspensos são Dmitry Starodubtsev, quarto classificado no concurso olímpico do salto com vara em Londres2012, Vera Ganeyeva e Anna Bulgakova, atletas do lançamento do disco e do martelo, respetivamente.

A Associação de Federações Internacionais de Atletismo (IAAF) impediu os atletas russos de participarem nos Jogos Olímpicos Rio2016, na sequência da descoberta de um sistema generalizado de distribuição de doping com conhecimento e apoio estatal, que abrangeu, entre outros eventos, Londres2012 e Socchi2014.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • Estarão os portugueses a consumir vitamina D em excesso? 
    6:44
  • Investigadores criam nanovacina contra diferentes cancros

    Mundo

    Investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nanovacina (vacina administrada através de partículas microscópicas) contra diferentes cancros, como o da pele, do cólon e do reto, numa experiência com ratos, revela um estudo publicado esta segunda-feira.