sicnot

Perfil

Desporto

Tenista Serena Williams poderá estar grávida

© Reuters

A tenista norte-americana Serena Williams, que na segunda-feira vai regressar à liderança do ranking mundial, deixou esta quarta-feira entender, numa 'selfie' publicada no Snapchat, que está grávida.

Na foto, capturada pelos meios de comunicação norte-americanos, a jogadora, que está vestida com um fato de banho amarelo e se apresenta de perfil, exibe uma barriga saliente, que parece indicar uma gravidez, corroborada pela legenda "20 semanas".

Williams não joga qualquer torneio desde que derrotou a sua irmã Venus na final do Open da Austrália, em janeiro, e conquistou o 23.º título do 'Grand Slam' da sua carreira, desempatando com a alemã Steffi Graf para se tornar na segunda tenista mais vitoriosa de sempre em 'majors', a apenas um título da australiana Margaret Court.

A atual número dois mundial, que na segunda-feira vai ascender à posição ainda ocupada pela alemã Angelique Kerber, anunciou no início de março que não iria participar nos torneios de Indian Wells e Miami, devido a problemas nos joelhos.

Caso se confirme a gravidez, Williams, de 35 anos, irá falhar os restantes 'Grand Slam' da temporada, designadamente Roland Garros (28 de maio a 11 de junho), Wimbledon (03 a 16 de julho), e Open dos Estados Unidos (28 de agosto a 10 de setembro).

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.