sicnot

Perfil

Desporto

Blatter defende regresso de Platini para liderar UEFA ou FIFA

Arnd Wiegmann

O ex-presidente da FIFA, o suíço Joseph Blatter, defendeu esta terça-feira o regresso do francês Michel Platini, antigo presidente da UEFA, suspenso por quatro anos, à liderança do organismo europeu ou mundial de futebol.

"É preciso que Platini regresse. Pode regressar para assumir o comando da UEFA ou da FIFA", sustentou Blatter, também suspenso por conduta antiética, em entrevista à AFP, assinalando que para que isso acontecesse seria necessária a redução da pena imposta ao francês.

Platini, de 61 anos, foi suspenso por oito anos pelo Comité de Ética da FIFA, na sequência do inquérito interno iniciado em junho de 2015, um mês após a polícia suíça ter detido sete altos dirigentes, acionando o maior escândalo de corrupção na história do futebol.

O ex-presidente da UEFA viu a pena ser reduzida para seis anos pelo órgão de recurso do organismo regulador do futebol mundial, tendo posteriormente recorrido para o Tribunal Arbirtra dl Desporto (TAS), que reduziu a suspensão em mais dois anos, para um total de quatro.

"É possível reabrir o processo se forem descobertos factos novos e estamos prestes a saber se existem", afirmou Blatter, de 81 anos, assegurando mesmo dispor de elementos que podem conduzir à revisão das sanções de ambos.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.