sicnot

Perfil

Desporto

Videoárbitro autorizado para a I Liga

(Reuters/Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

O recurso ao videoárbitro entrará em vigor na próxima época de futebol, na I Liga, revelou esta quinta-feira o presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Fernando Gomes, após autorização do International Board (IFAB).

"O IFAB, em função da capacidade que cada federação demonstra, pode autorizar a sua utilização oficial. E já recebemos a indicação de que isso será possível no nosso caso", salientou Fernando Gomes em declarações à assessoria da FPF.

O responsável máximo do futebol português explicou que a época de 2017/18 estava destinada a ser de testes, uma vez que a aplicação do vídeo-árbitro seria definitiva em 2018/19, mas que o órgão que rege as leis da arbitragem pode, em função da capacidade de cada Federação, autorizar a utilização oficial.

Assim, o sistema de auxílio aos árbitros será "introduzido oficialmente em todos os jogos da Liga na época 2017/19", com indica hoje a FPF, no sentido de "dar as melhores condições aos árbitros".

"Queremos claramente que os árbitros errem cada vez menos e esta ferramenta, estamos convencidos, será muito importante para diminuir a margem de erro", justificou ainda Fernando Gomes, esclarecendo que os custos, elevados, serão assumidos pela FPF.

O dirigente historiou também o processo deste avanço tecnológico em matéria de arbitragem, desde que há cerca de ano e meio, e que levou o organismo a testar o sistema em modo "off line" em nove jogos da Taça de Portugal, além de estar previsto em direto já na Taça de Portugal, a 28 de maio, na final entre Benfica e Vitória de Guimarães.

"Vamos testar "live" na Final da Taça de Portugal. Já tivemos nove ou dez árbitros envolvidos nestes testes e foram dois árbitros portugueses que testaram a sua utilização para a FIFA. A Final da Taça de Portugal será o culminar de um processo longo, com um enorme envolvimento da nossa equipa", acrescentou.

O processo teve início a 5 de março de 2016, quando o International Board aprovou o vídeo-árbitro, com dois anos para testes, e em junho assinou o protocolo que incluiu Portugal entre seis países pioneiros, juntamente com Austrália, Brasil, Alemanha, Holanda e Estados Unidos.

Em 2016/17 o início da época futebolística em Portugal arrancou com o Supertaça entre o campeão Benfica e o vencedor da Taça de Portugal Sporting de Braga (3-0), num jogo em que o vídeo-árbitro foi testado "offline".

Depois disso, mais oito jogos tiveram o acompanhamento do vídeo, sem ser em direto, todos da Taça de Portugal, até ao teste que decorrerá a 28 de maio, no Estádio do Jamor, naquele que será o primeiro em direto e antes da introdução na I Liga da próxima época.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.