sicnot

Perfil

Desporto

Paços de Ferreira promete combate à pirotecnia após incidente com adepto

(Arquivo)

Phil Noble

A direção do Paços de Ferreira solidarizou-se esta sexta-feira com o sócio vítima do rebentamento de um petardo nas celebrações pós-processo eleitoral, prometendo reforçar medidas para erradicar estes artefactos das instalações do clube da I Liga de futebol.

"A direção do FC Paços de Ferreira vem lamentar o grave acidente pirotécnico ocorrido com um adepto após o encerramento do ato eleitoral de 11 de maio. Nesse sentido, envia ao sócio e à sua família a solidariedade em todo o sofrimento daí resultante, com a esperança de que tenha uma rápida e eficaz recuperação", pode ler-se no comunicado publicado esta sexta-feira na página oficial do clube na Internet.

Na mesma nota, a direção novamente presidida por Paulo Meneses aproveitou para "reforçar a sua total oposição ao uso deste tipo de artefactos nas suas instalações desportivas", prometendo "reforçar as medidas necessárias à sua efetiva erradicação".

Pouco passavam das 23:30 de quinta-feira quando um petardo rebentou nas mãos de um sócio que celebrava a vitória de Paulo Meneses na eleição para os órgãos sociais (derrotou Carlos Barbosa, de quem foi vice-presidente, por larga maioria dos votos), junto aos parques de estacionamento.

Paulo Teles, de 26 anos, afeto à claque do Paços de Ferreira, sofreu a amputação total da mão direita.

O indivíduo foi assistido no local pelos presentes e pelos bombeiros de Paços de Ferreira, pouco depois do alerta, que o levariam ao encontro da viatura do INEM, sedeada no Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, em Penafiel, junto a um dos acessos da A42, onde foi estabilizado e, em seguida, transportado para o Hospital de S. João, no Porto.

A GNR de Paços de Ferreira esteve no local e tomou contas da ocorrência.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.