Desporto

Mexicana vence ultramaratona a correr de sandálias e de saia

Uma mexicana venceu uma ultramaratona de 50 quilómetros a correr de saia e sandálias de borracha. María Lorena Ramírez, de 22 anos, não é atleta profissional, nem recebeu treino específico para a Ultra Trail Cerro Rojo, prova que venceu, mas pertence à tribo Tarahumara, com uma longa e invulgar tradição de excelentes corredores.

María Lorena é pastora, percorre diariamente 10 a 15 quilómetros. Nasceu e cresceu no seio da tribo Tarahumara, na qual a corrida é um hábito e uma diversão.

Os índios rarámuri, da Serra de Tarahumara, daí o nome da tribo, no estado mexicano de Chihuahua, são criados a correr pelas montanhas, descalços ou com sandálias de borracha, que eles próprios conceberam para a prática da corrida.

A Ultra Trail Cerro Rojo realizou-se no final de abril em Puebla, no centro do México, mas só agora a insólita notícia começa a correr mundo. A prova contou com cerca de 500 concorrentes, de 12 países.

Facebook

Como manda a tradição Tarahumara, María Lorena correu sem equipamentos especias, de sandálias, de saia e de cachecol, deixando para trás as concorrentes dos mais modernos apetrechos, GPS, suplementos e sapatilhas próprias para corridas de longa distância.

Lorena terminou a corrida em 7 horas e 3 minutos, e conquistou o 1º lugar no escalão feminino, que lhe valeu o prémio monetário de 6 mil pesos (perto de 300 euros). Já no ano passado, tinha tinha chegado na 2ª posição na Ultramaratona Caballo Blanco, em Chihuahua, uma corrida de 100 quilómetros.

A tribo Tarahumara saiu do anonimato com o livro "Nascidos para Correr". Nesta obra, o maratonista Christopher McDougall descreve a extraordinária habilidade deste povo para correr. O autor destaca alguns aspetos que fazem destes homens e mulheres corredores de excelência:

  • Habitam povoações dispersas que se estendem ao longo de uma vasta área, dedicam-se tradicionalmente ao e comércio, caça, pastoreio, o que os obriga a percorrer longas distâncias.

  • Correm em grupos, ajudam-se mutuamente e ensinam os mais novos a encontrar o seu próprio ritmo.

  • Encaram a corrida como uma arte, que integra também alguns cerimoniais religiosos, bem como jogos e competições tradicionais, nas quais participam homens, mulheres e crianças.

  • Consomem grande quantidade de cerveja feita à base de milho, que é rica em carboidratos e os mantém hidratados.

  • Correm com sandálias finas de borracha ou descalços.