sicnot

Perfil

Desporto

Blatter defende Ronaldo e critica "cultura de suspeição" em relação ao futebol

Arnd Wiegmann

O antigo presidente da FIFA Joseph Blatter considerou esta segunda-feira que as suspeitas de fraude fiscal que recaem sobre Cristiano Ronaldo são motivadas por uma cultura de suspeição em relação ao futebol e defendeu o jogador português.

"Porque que é que se ataca sempre o mundo do futebol? Ninguém diz uma palavra sobre outros grandes desportistas", disse, dando como exemplo o seu compatriota Roger Federer, apesar de reconhecer: "Ele é intocável, acredito que faz tudo bem".

Blatter, que está suspenso de toda a atividade ligada ao futebol por violação do código de ética da FIFA, deu também como exemplo da "perseguição" a futebolistas os casos do basebol ou do basquetebol.

"As grandes estrelas norte-americanas do basebol e do basquetebol não são atacadas", afirmou Blatter, numa entrevista à televisão pública suíça RTS.

O antigo presidente da FIFA defendeu que deve ser respeitado o principio de presunção de inocência no caso do internacional português, recentemente acusado de fraude fiscal em Espanha.

"Deixou de haver moral desportiva desde de que o futebol se converteu no negócio", disse, acrescentando: "os jogadores transformaram-se em mercadorias, para não dizer em escravos".

Na terça-feira, o Ministério Público de Madrid acusou o futebolista português de ter, de forma "consciente", criado uma sociedade para defraudar o fisco espanhol em 14,7 milhões de euros, segundo a agência de notícias espanhola EFE.

O futebolista português é acusado de quatro delitos contra os cofres do Estado, cometidos entre 2011 e 2014, que contabilizam uma fraude tributária de 14.768.897 euros.

Lusa

  • "Ponho as mãos no fogo pelo senhor Cristiano"
    1:56

    Taça das Confederações

    O selecionador português saiu hoje em defesa de Cristiano Ronaldo, afirmando que põe as "mãos no fogo pelo caráter e idoneidade" do futebolista do Real Madrid, que foi acusado de fraude fiscal em Espanha. Em relação ao jogo com o México, Fernando Santos admitiu que é preciso ter cuidado com a imprevisibilidade desta seleção.

  • Cristiano Ronaldo desmente acusações de fraude fiscal
    3:09

    Desporto

    Cristiano Ronaldo desmente as acusações mas a lei espanhola pressiona o jogador do Real Madrid a confessar o crime de fraude fiscal. Uma confissão permite a pena suspensa e baixar a moldura penal. A defesa diz que tudo foi feito em conformidade com a lei e que Cristiano Ronaldo está de consciência tranquila.

  • Seleção presta apoio a Ronaldo
    2:21

    Taça das Confederações

    Esta sexta-feira centenas de jornalistas acompanharam os treinos da seleção na Rússia, depois da notícia da suposta saída de Cirstiano Ronaldo do Real Madrid. Todos os jogadores assim como a comitiva portuguesa estão a apoiar o internacional português.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.