Desporto

Excesso de testosterona favorece atletas femininas

Caster Semenya

Arnd Wiegmann / AP

A questão tem vindo a perturbar o mundo do atletismo: as atletas que produzem excesso de testosterona, como a sul-africana Caster Semenya ou a indiana Dutee Chand, estão em vantagem em relação às outras? Sim, garante um estudo agora publicado, encomendado pela Federação Internacional de Atletismo (IAAF).

O Tribunal Arbitral de Desporto (TAS), a mais alta instância da justiça desportiva, suspendeu em 2015 os regulamentos que impediam a participação destas mulheres e obrigava-as a fazer tratamentos. O TAS considerou que os regulamentos eram discriminatórios e deu um prazo até julho de 2017 para a IAAF provar cientificamente que as atletas com hiperandrogenismo são favorecidas desportivamente por esse facto.

A IAAF encomendou este estudo, que "faz parte das provas que reuniu para apresentar ao TAS" para reabrir o processo, informa em comunicado.

Publicado hoje no British Journal of Sports Medicine, o estudo é assinado por Stéphane Bermon, que participou nos trabalhos da IAAF sobre este assunto, e por Pierre-Yves Garnier, diretor do departamento científico do organismo internacional.

Dutee Chand

Dutee Chand

Aijaz Rahi / AP

A partir dos dados recolhidos nos Mundiais de 2011 e 2013, o estudo garante que os altos níveis de testosterona produzidos naturalmente por certas atletas lhes dá vantagem "significativa" nalgumas provas - por exemplo, nos 800 metros melhora a execução em 1,78% e no lançamento do martelo, em 4,53%.

Assim, afirmam os investigadores, esta vantagem tem de ser tomada em consideração para determinar se as atletas participam ou não em competições.

Estes casos são raros, mas muito mediáticos. O mais conhecido será o da atleta sul-africana Caster Semenya, campeã olímpica dos 800 metros dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro em 2016.

O outro caso é o da velocista indiana Dutee Chand. Diagnosticada com hiperandrogenismo em 2014 e então suspensa pela IAAF, foi ela quem recorreu para o TAS, que lhe deu razão em 2015. O famoso regulamento foi suspenso e Chand foi autorizada novamente a competir.

  • Mergulhador britânico pondera processar Elon Musk por este o ter chamado "pedófilo"

    Mundo

    Elon Musk corre o risco de ser processado por um mergulhador britânico depois de o chamar "pedófilo" na rede social Twitter. O insulto foi feito no domingo, depois Vernon Unsworth, um dos mergulhadores que participou nas operações de resgate na Tailândia, ter acusado Musk de estar a promover um "golpe publicitário" ao oferecer um submarino para o resgate.