sicnot

Perfil

Desporto

Clube da 7ª divisão inglesa vai pagar salários iguais ao plantel masculino e feminino

O clube inglês Lewes FC anunciou esta quarta-feira a intenção de pagar salários iguais aos plantéis masculino e feminino de futebol, tornando-se no "primeiro clube profissional ou semi-profissional" a fazê-lo na modalidade.

Segundo o comunicado do emblema, que milita no sétimo escalão do futebol masculino inglês e no terceiro patamar feminino, a medida surge no âmbito da campanha "Equality FC", criada pelo clube para "sensibilizar para a desigualdade de género no futebol" e encorajar mais apoios para o futebol feminino.

Para conseguir o objetivo, o clube de Sussex comportou os primeiros custos e explicou que vai continuar a recolher fundos através de "patrocinadores e donativos", bem como a venda de ações do clube.

Uma das diretoras do clube, Jacquie Agnew, explicou que a iniciativa abrange ainda os fundos disponibilizados para a equipa técnica, o treino e as infraestruturas, com a ambição de "catalisar uma mudança no Reino Unido que ajude a por um fim às desculpas para esta disparidade profunda de pagamento".

"Todos os dias vejo a paixão e a dedicação que as nossas atletas têm pelo jogo, e tenho a certeza que isto acontece em todo o país. Para as jogadores, ter as mesmas recompensas que os homens, pelo mesmo trabalho, é um fantástico salto em frente e um sinal poderoso", acrescentou o técnico da equipa feminina, John Donoghue, enquanto o treinador do plantel masculino, Darren Freeman, disse que os adeptos "querem que a equipa ganhe independetemente do género" e que "todos merecem a mesma oportunidade e recompensas".

A medida do Lewes, que inclui ainda um investimento nas infraestruturas do clube, visa ainda apoiar o futebol de formação local para "levar a participação igual, entre raparigas e rapazes, no futebol".

Lusa

  • Presidente da IPSS "O Sonho" garante que vai demitir-se
    0:57

    País

    A PJ de Setúbal fez esta sexta-feira buscas em três instituições de solidariedade social e em casas particulares ligadas à IPSS "O Sonho", por suspeitas de peculato de uso, fraude na obtenção de subsídios e falsificação de documentos. O presidente da associação nega as suspeitas e diz que está de "consciência tranquila". Florival Cardoso, que é o principal visado na investigação, fala sobre uma "caça às bruxas" e garante que vai demitir-se, porque considera que está a ser cometida uma "enorme injustiça".

  • "Situação humanitária dos civis em Ghouta é aterradora"
    0:49

    Mundo

    O enviado especial da ONU para a Síria lançou esta sexta-feira um novo apelo a um cessar-fogo. O responsável está particularmente preocupado com a situação da população civil e diz que é preciso evitar que se repita em Ghouta o que se passou em Alepo.

  • Instantes de uma noite de futebol europeu
    0:41
  • Não dá mais, Brasil!
    18:00