sicnot

Perfil

Desporto

FPF não vê necessidade de alterações legislativas na Liga

(Reuters/Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) não vê necessidade de realizar alterações legislativas, que passem para o organismo a competência de elaborar os regulamentos de arbitragem e disciplina das ligas profissionais, disse hoje fonte oficial do organismo à Lusa.

A mesma fonte oficial assegurou não ver razão para alterar a legislação sobre a partilha de responsabilidades com a Liga de clubes, que atualmente obriga a que os regulamentos de disciplina e arbitragem sejam ratificados pela FPF, que pode aprová-los ou não.

A FPF já, por várias vezes, não aprovou regulamentos apresentados pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), como o caso do sorteio dos árbitros ou, mais recentemente, sobre a proibição de cigarros eletrónicos nas áreas técnicas.

Na terça-feira, o PSD apresentou uma proposta revista de alteração legislativa sobre "defesa da transparência e da integridade nas competições desportivas", na qual defende a passagem para a FPF da competência de elaborar os regulamentos de arbitragem e disciplina das ligas profissionais.

Segundo o documento, que será votado na quinta-feira, a elaboração e aprovação "dos regulamentos de arbitragem e disciplina das competições desportivas profissionais" passariam para a alçada da "direção da federação desportiva, na qual a Liga profissional se insere", ao contrário do que é vigente até agora, em que a formulação e aprovação dos documentos cabe à Liga, que depois os "submete a ratificação pela assembleia-geral da federação, no seio da qual se insere".

A LPFP já criticou esta proposta de alteração legislativa, classificando-a como uma "tentativa de golpe".

Em comunicado, a LPFP classifica a proposta de alteração legislativa como "tentativa de golpe na autorregulação das sociedades desportivas", considerando que o processo foi gerido de "forma encapotada", o que "põe em causa o edifício do futebol profissional, assim como a gestão e credibilidade das sociedades desportivas que representa".

Lusa

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • Sociedade de Pneumologia recomenda cuidados com calor e incêndios

    País

    A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) alertou esta quarta-feira para os riscos respiratórios decorrentes dos incêndios e temperaturas elevadas, sobretudo para quem sofre de doenças crónicas, propondo medidas preventivas e recordando o aumento de mortalidade associado ao calor.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira

  • "Estou grávida! Estou a morrer!"
    1:14
  • Mulher vive sozinha numa ilha há 40 anos

    Mundo

    Zoe Lucas é a única pessoa a viver numa ilha canadiana, no norte do Atlântico. Nas últimas quatro décadas, a mulher de 67 tem partilhado a ilha Sable com cerca de 400 cavalos selvagens e 350 espécies de pássaros.