sicnot

Perfil

Desporto

Rússia cria novo laboratório antidoping sob alçada da Universidade de Moscovo

O Governo russo aprovou este sábado a criação de um novo laboratório antidoping, independente do ministério dos Desportos, numa medida que visa reabilitar a agência antidoping nacional (RUSADA), suspensa em 2015.

O documento, assinado em 10 de agosto pelo primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, coloca o novo laboratório sob a alçada da Universidade de Moscovo, desvinculando o ministério dos Desportos dessas responsabilidades.

Em comunicado, o Governo da Rússia explica que, apesar da Universidade de Moscovo ser estatal, este vínculo permitirá ao novo laboratório funcionar de forma "independente dos organismos de estado".

A RUSADA tinha sido suspensa em 2015 depois de rebentar um escândalo de doping generalizado na Rússia, patrocinada pelo estado russo, entre 2011 e 2015, após a publicação de um relatório da Agência Mundial Antidopagem (AMA).

Em junho, a AMA autorizou a Rússia a voltar a monitorizar os controlos antidoping, sob a supervisão da agência britânica (UKAD).

Com esta solução, o vice-primeiro-ministro dos Desportos, Vitali Moutko, com a pasta dos Desportos, considerou que se tinha dado "uma grande passo para a reabilitação total da RUSADA.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18