sicnot

Perfil

Desporto

Bolt sofreu cãibra na final dos 4x100 metros dos mundiais de atletismo

Lucy Nicholson

Uma cãibra na coxa esquerda foi o motivo que impediu o jamaicano Usain Bolt de terminar a última corrida da sua carreira, a final dos 4x100 metros dos Mundiais de atletismo, em Londres, no sábado.

"É uma cãibra no isquiotibial esquerdo, mas a maior dor que sente é pela deceção de ter perdido a corrida. As três últimas semanas foram duras para ele", afirmou o médico da seleção da Jamaica, Kevin Jones.

Omar McLeod, medalha de ouro nos 110 m barreiras e que no sábado correu o primeiro percurso da estafeta jamaicana nos 4x100, afirmou que todos estavam um pouco comovidos com a lesão de Bolt.

"O nome de Usain Bolt permanecerá para sempre", sublinhou.

Bolt recebeu o testemunho para o último percurso na terceira posição, atrás de norte-americanos e britânicos, tentou forçar e acabou por parar, deitando-se na pista agarrado à perna esquerda e com um esgar de dor, permanecendo por terra durante alguns minutos.

O recordista mundial de 100 e 200 metros fecha assim a sua carreira com 14 medalhas em campeonatos do Mundo, um recorde para o setor masculino.

A Grã-Bretanha conquistou a medalha de ouro, com 37,47 segundos, batendo os Estados Unidos (37,52) e o Japão (38,04).

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43