sicnot

Perfil

Desporto

Itália repudia uso de imagem de Anne Frank por parte dos adeptos da Lazio

Ao centro o presidente da Lazio.

Gregorio Borgia

O futebol italiano repudiou esta terça-feira, com uma série de iniciativas, o uso da imagem de Anne Frank como insulto antissemita por parte de adeptos da Lazio, que pretendiam provocar os seus arquirrivais romanos da Roma.

No domingo, no estádio Olímpico de Roma, alguns ultras da Lazio deixaram coladas, na curva correspondente aos adeptos do seu rival histórico, imagens de Anne Frank com uma camisola da Roma, uma fotomontagem que já tinha indignado Itália há quatro anos.

Hoje, o presidente da Lazio anunciou que vai enviar, anualmente, 200 jovens adeptos do clube ao campo de concentração e extermínio de Auschwitz (Polónia), depois de ter visitado a sinagoga de Roma, onde depositou uma coroa de flores.

"Queremos, uma vez mais, reafirmar a nossa posição com um gesto claro e inequívoco: ninguém pode usar a Lazio. A maioria dos nossos seguidores está ao nosso lado, contra o antissemitismo", garantiu Claudio Lotito, que informou também que os seus jogadores querem aquecer, antes do encontro de quarta-feira, com o Bolonha, com uma camisola com a fotografia da jovem alemã, que morreu no campo de concentração de Bergen-Belsen, em 1945.

O treinador da Lazio, Simone Inzaghi, mostrou-se igualmente incomodado com o ocorrido, considerando que os autores de tamanha provocação são "umas poucas maçãs podres".

Em comunicado, o presidente italiano, Sergio Mattarella, qualificou de "inumano" e "alarmante" o episódio, exortando a que os responsáveis sejam excluídos definitivamente dos estádios.

Também a Federação italiana de futebol (FIGC), que já abriu uma investigação com a colaboração da Procuradoria de Roma, decidiu decretar um minuto de silêncio antes do início de todos os jogos da primeira, segunda e terceira divisão, no qual se lerá um excerto do Diário de Anne Frank.

De acordo com o ministro italiano do Desporto, Luca Lotti, e a União das comunidades judaicas italianas (UCEI), este gesto tem como objetivo continuar a "cultivar a memória do holocausto" e incentivar a que o desporto transmita valores que formem consciências.

O antigo primeiro-ministro Matteo Renzi recorreu ao Facebook para expressar o seu mal-estar: "Se fosse presidente de uma equipa de futebol, amanhã apareceria no campo com a Estrela de David em substituição do patrocinador. E explicaria por que me causa calafrios pronunciar o nome de Anne Frank".

Com Lusa

  • "Temos de jogar melhor do que frente à Espanha"
    0:45
  • Ronaldo é o jogador que mais preocupa os marroquinos
    2:35
  • Recorda-se de Tahar? O ex-futebolista marroquino que já jogou em Portugal
    6:10
  • "Somos 11 milhões, queremos ser campeões e as russas são grandes canhões"
    3:54
  • Denis Cheryshev: o orgulho dos anfitriões

    Mundial 2018 / Rússia

    O avançado Denis Cheryshev foi eleito o Homem do Jogo entre Rússia e Egito, que os russos venceram por 3-1. Marcou o segundo golo dos anfitriões, o terceiro em nome próprio no Mundial e juntou-se a Cristiano Ronaldo no topo da lista de melhores marcadores. Aos 27 anos e a jogar o primeiro Mundial da carreira, Cheryshev continua a assumir-se como um dos principais rostos da esperança russa para o sucesso desta campanha. Depois de já ter sido o melhor em campo no triunfo sobre a Arábia Saudita, a nação anfitriã vê-o como uma espécie de porta-estandarte do orgulho russo na defesa da pátria.

  • Gato Achilles acerta no resultado do Rússia-Egito

    Desporto

    O gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. Depois de ter acertado na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita, o felino voltou a apostar na equipa certa, com os russos a vencerem esta terça-feira o Egipto por 3-1.

  • Os momentos que marcaram o 6.º dia de Mundial
    0:58
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O espetáculo fora das quatro linhas
    2:30
  • "Quando o Cristiano Ronaldo te convidar para almoçar, recusa"

    Desporto

    Na possibilidade de ser convidado por Cristiano Ronaldo para um almoço ou jantar, recuse. Este é o conselho de Patrice Evra, que revelou o "sofrimento" que passou quando aceitou almoçar em casa do capitão da seleção nacional, na altura em que ambos jogavam pelo Manchester United. O jogador francês falou sobre a comida "demasiado saudável" e o exercício que acabou por ter de fazer, enquanto podia estar a descansar.

    SIC

  • "Quero ir com a minha tia", o desespero das crianças afastadas dos pais nos EUA
    2:11

    Mundo

    A nova política de imigração de Donald Trump está a suscitar reações indignadas. Na fronteira com o México, as crianças refugiadas estão a ser retiradas à força aos pais e levadas para centros de acolhimento. Esta terça-feira, foi divulgado um registo áudio de uma criança a suplicar pelos pais a um dos agentes da polícia fronteiriça.

  • Protecionismo de Trump abala Wall Street

    Economia

    Abalada pela exacerbação das disputas comerciais entre os EUA e a China, a bolsa nova-iorquina encerrou esta terça-feira em baixa, com o seletivo Dow Jones a fechar em queda pela sexta sessão consecutiva.