sicnot

Perfil

Desporto

Rio Ave diz que tem sido alvo de "ataque sem fundamento" e promete "agir judicialmente"

SIC

O Rio Ave, da I Liga portuguesa de futebol, considerou este sábado que o clube tem sido alvo de um "ataque torpe e vil e sem fundamento" e prometeu "agir judicialmente" contra "atos difamatórios à instituição e seus atletas".

"O Rio Ave desconhece a existência ou a essência do processo em causa, estando alheio a qualquer investigação que decorra dos factos narrados pela imprensa sobre o pretenso aliciamento de jogadores num jogo com o Benfica à data da época de 2015/16", afirmou o clube nortenho, num comunicado colocado na página na internet.

Os responsáveis do Rio Ave repudiam que "se assista, na imprensa diária, a uma condenação na praça pública sob um processo do qual não foi deduzida sequer acusação", e prometem uma reação na justiça.

"Basta a este ataque torpe e vil, absolutamente carente de fundamento", pode ler-se no comunicado.

"O Rio Ave deixa bem claro que irá agir judicialmente contra todos aqueles que, pelos assuntos à data e no futuro, veiculam insinuações baseadas em dados falsos, difamatórios e atentatórios ao bom nome e honra dos atletas e da instituição", acrescenta.

Nesse sentido, o clube vila-condense exige "a máxima celeridade no apuramento da verdade material, não abdicando que seja esta verdade material e não a formal que encerrará estes casos".

"Os visados nas notícias veiculadas, jogadores e clube, são os principais interessados no desfecho urgente destes casos, ao contrário daqueles que pretendem apenas alimentar estes assuntos por outras razões", acrescenta o comunicado redigido hoje pelos responsáveis do clube.

O clube da foz do Ave considerou ainda "que o rigor e a verdade continuam ausentes da informação prestada" pela comunicação social, apontando que as notícias veiculadas "quebram as mais básicas e primárias regras deontológicas da prática do jornalismo ao não ser respeitado o ser humano, o seu agregado familiar, o profissional e o seu ambiente de trabalho".

Esta reação do Rio Ave surge na sequência de notícias divulgadas nos últimos dias que dão conta de um alegado envolvimento de jogadores do clube em esquemas de viciação de resultados.

Recorde-se que, esta quarta-feira, a estação de televisão SIC avançou que quatro jogadores do Rio Ave foram constituídos arguidos por, alegadamente, terem sido pagos para perder no jogo frente ao Feirense, em Santa Maria da Feira, na época passada, que a equipa da casa venceu por 2-1.

Já este hoje, foi o jornal Correio da Manhã a avançar que a PJ está a investigar a possibilidade de ter havido manipulação do resultado na visita dos 'encarnados' a Vila do Conde, em 24 de abril de 2016, a contar para a 31.ª jornada da edição de 2015/16 da I Liga e que o Benfica venceu por 1-0, com um golo do mexicano Raúl Jimenez, aos 73 minutos.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.