sicnot

Perfil

Desporto

Dez suspeitos de posse de engenhos pirotécnicos ficaram de fora do dérbi na Luz

A PSP informou que dez suspeitos de posse de engenhos pirotécnicos vão ser vistoriados, na sequência da operação em torno do jogo de futebol entre o Benfica e o Sporting, e serão levados a tribunal esta quinta-feira.

Num curto balanço antes do encontro da 16.ª jornada da I Liga, o subintendente da Polícia de Segurança Pública Pedro Pinho salientou que o percurso que liga o Estádio de Alvalade ao da Luz decorreu de forma "pacífica e cívica", não tendo havido registo de incidentes entre adeptos."Temos registo de algumas deflagrações de pirotecnia.

Temos dez suspeitos [de posse de engenhos pirotécnicos] e vamos fazer a peritagem para entender o que é. Confirmando-se que se tratam de facto de artefactos pirotécnicos passarão a cidadãos detidos e serão presentes amanhã [quinta-feira] em tribunal", afirmou.

A operação policial em torno do dérbi lisboeta teve a particularidade de ter incluído na 'caixa de segurança' o presidente do Sporting, Bruno de Carvalho.

Uma situação que não causou preocupações acrescidas à PSP, que teve a condicionante de conduzir os adeptos em período de hora de ponta e no momento em que crianças saíam das escolas.

"É um dia de reinício de aulas e que coincide com a freguesia mais populosa de Lisboa, o Lumiar, com o comércio aberto, com os pais a querer chegar às escolas, com os alunos a quererem sair, foi a gestão que tivemos de fazer", concluiu.

Lusa

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC