sicnot

Perfil

Desporto

Brahimi e Marega recuperam de fadiga muscular

(Arquivo)

O argelino Brahimi e o maliano Marega, ambos com fadiga muscular, juntaram-se a Otávio no boletim clínico do FC Porto, cujo plantel de futebol fez esta sexta-feira uma sessão de recuperação num hotel.

Os 'dragões', que na quinta-feira à noite venceram fora o Moreirense (2-1) e asseguraram a passagem às meias-finais da Taça de Portugal, tiveram um dia de trabalho diferente, com o grupo a fazer uma sessão de 'spa', seguida de almoço conjunto.

Na quinta-feira, o FC Porto já tinha revelado que o internacional argelino Brahimi saiu ao intervalo devido a fadiga muscular e que Marega nem entrou em campo, pelos mesmos motivos.

Os dois jogadores realizaram hoje tratamentos, enquanto Otávio continua a recuperar de lesão e fez treino condicionado e trabalho de ginásio, enquanto o lateral Diogo Dalot voltou a trabalhar com a equipa B dos 'dragões'.

A equipa de Sérgio Conceição tem treino no sábado, às 11:00, à porta fechada, na preparação para a visita de segunda-feira ao Estoril Praia (21:00), em jogo que encerra a 18.ª jornada, a primeira da segunda volta, da I Liga de futebol.

O FC Porto lidera o campeonato, com 45 pontos, seguido de Sporting, com 43, e de Benfica, com 40.

Lusa

  • Segurança da Academia de Alcochete avisado 10 minutos antes do ataque
    1:57
  • "Não acho que seja prudente" o regresso dos atletas à Academia do Sporting
    5:49

    Crise no Sporting

    As agressões aos jogadores e equipa técnica do Sporting, na Academia de Alcochete, foram o tema de uma entrevista a Ana Bispo Ramires, psicologa do desporto. Questionada sobre se os jogadores deveriam regressar ou não à academia, Ana Bispo Ramires diz que não devem fazê-lo e explica que é importante que haja medidas de atuação, o mais rápido possível, para que os atletas e restante equipa técnica do clube possam reprocessar, do ponto de vista cognitivo, as ameaças que sofreram. 

  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC