Desporto

Três adeptos do Vitória de Setúbal feridos após apedrejamento de autocarro

Adeptos do Vitória de Guimarães durante o jogo com o Vitória de Setúbal a contar para a Primeira Liga de Futebol realizado no Estádio D. Afonso Henriques em Guimarães, Portugal, 14 de abril de 2018.

HUGO DELGADO

O autocarro em que seguiam mais de 70 adeptos do Vitória de Setúbal foi apedrejado, na noite de sábado, na A7, em Famalicão, no regresso do jogo da I Liga de futebol em Guimarães, provocando três feridos.

O arremesso de pedras por um grupo não identificado partiu um dos vidros do veículo, que transportava também membros das claques VIII Exército e Grupo 1910. Os estilhaços causaram ferimentos ligeiros e obrigaram à intervenção do INEM.

Quem também esteve na área de serviço de Famalicão, onde foi prestado auxílio aos adeptos do clube sadino, foi a Polícia de Segurança Pública (PSP), que registou a queixa dos adeptos, revelou o vice-presidente do Vitória de Setúbal Paulo Gomes, que se deslocou ao local quando soube do sucedido.

"O caso está entregue às autoridades. Respondi no auto, juntamente com outras testemunhas, e apresentámos queixa, apesar de não sabermos quem fez o ataque. Vamos esperar um pouco. Só depois veremos qual o passo seguinte a tomar", avançou.

O dirigente, que assistiu no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, ao empate 1-1 no duelo entre Vitórias, escusa-se a apontar responsáveis.

"Não se conseguiram identificar os adeptos, mas presume-se que nem devem ser do Vitória de Guimarães. Segundo a polícia, há um grupo de pessoas que tem feito atos deste género com vários clubes", disse.

Paulo Gomes relatou à Lusa o cenário que encontrou quando chegou junto ao autocarro.

"Um vidro duplo enorme, que apanhava três filas do autocarro, que tinha lotação para mais de 70 pessoas, estilhaçou e houve adeptos que ficaram com pedaços de vidro nos olhos e um outro foi atingido com uma das pedras. Felizmente, todos os três ferimentos foram ligeiros", referiu.

Com o veículo danificado e depois de verificada a integridade física dos passageiros, a preocupação do vice-presidente do Vitória de Setúbal passou a ser as condições da viagem de regresso.

"O grande problema era tratar-se de um autocarro que tinha mais de 70 lugares e que não estava em condições para regressar a Setúbal.

stive com os adeptos até se resolver o problema com a chegada de um autocarro de Guimarães por volta das 01:15 de domingo, para levar todos de volta a casa", disse.

Lusa

  • Ministério Público anulou interrogatório a Manuel Pinho
    3:13

    País

    O antigo ministro Manuel Pinho esteve esta manhã no DCIAP para ser interrogado a propósito das relações que manteve com o Grupo Espírito Santo e a EDP nos anos em que esteve no governo. No entanto a diligência ficou sem efeito a pedido do Ministério Público.

  • Três feridos dos incêndios de outubro ainda continuam internados
    1:07

    País

    Continuam internadas três vítimas dos incêndios de outubro do ano passado, entre elas uma menor, de 12 anos, no Hospital Pediátrico de Coimbra. Os outros dois feridos estão no Centro de Reabilitação da Tocha. Nove meses depois, as vítimas dos fogos continuam a ser acompanhadas em consultas de cirurgia plástica, fisioterapia e reabilitação e a nível psicológico em centros de saúde e por equipas de saúde mental comunitária.

  • CP acaba com primeiro rápido da manhã entre Lisboa e Porto

    Economia

    A CP já apresentou as alterações aos horários dos comboios Alfa Pendular e Intercidades a partir do próximo dia 5 de agosto de 2018 (domingo). A nova escala elimina o primeiro Alfa Pendular da manhã por uma nova ligação Intercidades que só sai de Lisboa aproximadamente uma hora depois. Uma medida justificada pela falta de procura mas que surge dias depois de serem denunciados problemas no funcionamento dos Comboios de Portugal.

  • Marcelo confiante na "presidência inspiradora" de Cabo Verde na CPLP
    0:40

    País

    O Presidente da República português mostra-se muito confiante nesta nova fase que se abre à CPLP, com a nova presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que passa do Brasil para Cabo Verde. À SIC, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que, em Brasília, havia muitas questões pendentes mas agora há "um clima muito positivo entre os membros da CPLP, com maior peso na comunidade mundial".