Desporto

Sindicato dos Jornalistas denuncia agressões a jornalistas após clássico

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) denunciou esta segunda-feira que "jornalistas, devidamente identificados e no exercício da profissão", foram alvo de agressões no domingo, junto ao Estádio da Luz, em Lisboa, após o jogo Benfica - FC Porto, e manifestou "total solidariedade".

Em comunicado, o SJ "condena as agressões de que foram vítimas alguns jornalistas, devidamente identificados e no exercício da profissão, no domingo, junto ao Estádio da Luz, após o jogo Benfica - FC Porto, manifestando total solidariedade e apoio legal aos camaradas em questão".

Aquela estrutura sindical acrescenta que "reportará os incidentes às entidades responsáveis pela segurança dos jornalistas no local, exigindo que sejam apuradas responsabilidades".

Na nota, o SJ lembra que, em fevereiro passado, o parlamento aprovou uma alteração do Código Penal que passou a considerar crime público "as agressões a jornalistas no exercício das suas funções ou por causa delas".

Esta alteração já foi promulgada pelo Presidente da República, pelo que os jornalistas passaram a integrar a lista de profissões com direito a proteção acrescida.

O SJ lamenta ainda, no comunicado, "o clima de hostilidade constante no futebol e a crescente violência que tem extravasado as quatro linhas e atingido os jornalistas em exercício de funções, de forma completamente injustificada", e apela para "que as entidades responsáveis continuem a refletir sobre este assunto e, sobretudo, ajam em conformidade".

Um golo de Herrera, aos 90 minutos, deu no domingo ao FC Porto a vitória no clássico com o Benfica, por 1-0, e devolveu aos 'dragões' a liderança da I Liga da portuguesa de futebol, na 30.ª jornadaA vitória no Estádio da Luz, em Lisboa, deixou o FC Porto no comando do campeonato, com 76 pontos, mais dois do que o tetracampeão Benfica, a quatro jornadas do final da prova.

Ainda antes do jogo, a operação da Polícia de Segurança Pública (PSP) registou três detidos por posse e deflagração de artefactos pirotécnicos.

Lusa

  • Sete detidos e seis feridos depois do Benfica-FC Porto na Luz
    1:18

    Desporto

    O clássico entre o SL Benfica e o FC Porto acabou com sete detidos e seis feridos. "Houve sete detenções no total por agressões e arremesso de objetos a polícias e por posse e deflagração de artefactos pirotécnicos e também um indivíduo identificado por contrafação, em que foi apreendido o material contrafeito", disse o comissário da PSP Sérgio Soares em declarações à SIC Notícias.

  • "O Mal Entendido: as doenças a que chamamos cancro" - capítulo 4: Os maratonistas
    33:52
  • O verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo das pistolas
    0:50

    Assalto em Tancos

    O general Leonel de Carvalho associa o roubo em Tancos ao desaparecimento de 57 armas da PSP de Lisboa, em fevereiro do ano passado. O antigo secretário geral do Gabinete coordenador de Segurança considera ainda que o verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo dessas pistolas e não no alegado desaparecimento de algumas granadas e outro material explosivo de pouca capacidade.

  • "Aquilo parecia um filme de terror"
    1:40

    Crise no Sporting

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Benfica promete queixa-crime contra quem divulgou contratos de Castillo e Ferreyra
    1:26

    Desporto

    Um blog divulgou na internet os valores dos contratos de dois dos reforços do Benfica, Castillo e Ferreyra. O clube da Luz promete agir judicialmente contra quem divulgou estas informações. A SIC sabe que devido à gravidade dos factos a Liga de Clubes está a considerar suspender os funcionários da instituição até que este caso seja esclarecido.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52
  • Donald Trump envolvido em mais uma polémica
    1:49
  • 20 quilómetros até ao trabalho valeu um carro

    Mundo

    Quando o carro de Walter Carr deixou de funcionar um dia antes do primeiro dia de trabalho numa empresa de mudanças, ele não desistiu nem ligou a dizer que ia faltar. Saiu de casa à meia-noite e fez mais de 20 quilómetros a pé para chegar a horas. No final recebeu uma recompensa.

    SIC