Desporto

Luís Enrique é o novo selecionador espanhol

Susana Vera

O treinador Luís Enrique vai assumir o cargo de selecionador de Espanha de futebol, sucedendo a Fernando Hierro, que comandou a equipa no Mundial2018, anunciou hoje a Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF).

O técnico, de 48 anos, estava desempregado desde 2017, quando terminou contrato com o FC Barcelona, equipa que comandou durante três temporadas, tendo conquistado uma Liga dos Campeões, dois campeonatos espanhóis e três Taças do Rei.

De acordo com a RFEF, o antigo jogador assinou um contrato de duas temporadas, tendo em vista a qualificação e participação no Euro2020, que pela primeira vez será disputado em vários países.Fernando Hierro abandonou a seleção espanhola após a eliminação nos oitavos de final do Mundial 2018 frente à Rússia.

O ex-defesa central, que era o diretor desportivo, ocupou o cargo no arranque da competição devido ao despedimento de Julen Lopetegui, que com surpresa assinou com o Real Madrid.

Além da sua passagem pelo FC Barcelona, Luís Enrique passou também pelo Celta Vigo e Roma. Como jogador, Enrique, que ficou conhecido por poder atuar em várias posições, defendeu as cores do FC Barcelona, Real Madrid e Sporting Gijón.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16