Desporto

Casillas agradece a Ronaldo tudo o que fez pelo Real Madrid

Michael Dalder

O guarda-redes espanhol Iker Casillas, antigo companheiro de Cristiano Ronaldo no Real Madrid, deixou esta quarta-feira um agradecimento ao futebolista português, que rumou à Juventus, por tudo o que fez pelos merengues.

"As despedidas doem, ainda mais quando se trata de um jogador assim. Agradeço-te aquilo que fizeste por um clube, que tornaste anda maior do que já era", escreveu Casillas, guarda-redes do FC Porto, na rede social Twitter.

O internacional espanhol, que jogou com o português no Real Madrid entre 2009 e 2015, antes de rumar ao FC Porto, acompanha o seu texto com uma fotografia em que está abraçado a Cristiano Ronaldo.

Casillas felicita ainda Ronaldo no "empenho de querer ser o melhor do mundo" e que o consegue, terminando com o desejo de boa sorte na nova etapa do português, que na terça-feira foi oficializado como reforço dos italianos da Juventus.

A 'Juve' confirmou a contratação de Cristiano Ronaldo, de 33 anos, por quatro temporadas, até junho de 2022, mediante o pagamento de 100 milhões de euros ao Real Madrid.

Aos 33 anos, o capitão da seleção portuguesa vai defender o quarto clube na carreira sénior, depois de Sporting (2002/03), Manchester United (2003/04 a 2008/09) e Real Madrid (2009/10 a 2017/18).

Cinco vezes vencedor da Bola de Ouro, em 2008, 2013, 2014, 2016 e 2017, Cristiano Ronaldo estava ligado contratualmente até 30 de junho de 2021 ao emblema 'merengue', ao serviço do qual conquistou quatro Ligas dos Campeões, dois Mundiais de Clubes, duas Supertaças Europeias, dois campeonatos, duas Taças do Rei e duas Supertaças de Espanha.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16