Última Edição

DIRETO

1
0:05

Última Edição

2
2:29

Governo vai anunciar as medidas previstas no segundo orçamento rectificativo

3
1:38

Polícia norte-americana abate a tiro membro da equipa do programa de TV "Cops"

4
1:50

Chamas consumiram mato e pinhal em Canhoso, Covilhã

5
1:09

Fogo no Mogadouro mobilizou mais de 120 operacionais e quatro meios aéreos

6
0:32

Seguro diz que não espera surpresas no orçamento retificativo

7
0:48

Colisão entre ambulância portuguesa e carrinha espanhola faz um morto

8
1:03

Telma Monteiro diz que está muito contente com mais uma medalha de prata

9
1:51

Ministra da Agricultura visita empresas de produção de flores no Montijo

10
0:42

Mãe do jornalista Steven Sotloff apela ao líder do grupo para libertar o filho

11
0:53

Jornalista que foi libertado há três dias na Síria já chegou a casa

12
1:18

Enzo Pérez corre contra o tempo para jogar no dérbi

13
2:04

Hadi Sacko confirma ao L'Équipe que vai assinar pelo Sporting

14
2:33

Senegalês que contraiu a doença transferido para hospital na Alemanha

20:22 20.02.2012

Eduardo Catroga admite desconforto de alguns acionistas com entrada de chineses no conselho de supervisão da EDP

LUSA Lusa

O novo presidente do conselho geral e de supervisão  da EDP, Eduardo Catroga, admitiu hoje que dois grupos de acionistas manifestaram  "desconforto" em relação à entrada dos chineses neste órgão de fiscalização,  o que se refletiu na votação.

"Há dois grupos de acionistas que consideram imposições (a entrada  da China Three Gorges no conselho geral e de supervisão), o que se refletiu  na votação", afirmou Eduardo Catroga, que recebeu o aval de 84 por cento  do capital representado na assembleia-geral extraordinária da elétrica portuguesa,  que se realizou hoje.  

Em conferência de imprensa, o ex-ministro das Finanças adiantou que  a Iberdrola, elétrica espanhola, que tem mais de 6,79 por cento do capital  da EDP, "tem aspirado a ser membro do conselho geral e de supervisão" e,  por isso, não vê com bons olhos a entrada da China Three Gorges, que adquiriu  uma participação de 21,35 por cento, com quatro representantes no órgão  de fiscalização.  

Eduardo Catroga adiantou que há ainda um outro grupo de pequenos acionistas  que defende que "a Three Gorges vai ter uma posição de controlo nos órgãos  sociais da empresa e, nesse sentido, deveria lançar uma OPA geral, ao mesmo  preço que comprou a posição do acionista Estado".  

O novo presidente do conselho geral e de supervisão adiantou que esse  "desconforto de acionistas" se reflete no diferencial entre a votação para  o conselho geral e de supervisão, com 84 por cento do capital representado,  e para o conselho de administração executivo, liderado por António Mexia,  com 99,8 por cento do capital representado.  

Aos jornalistas, no final da assembleia-geral de acionistas extraordinária,  Catroga considerou a sua escolha para liderar o órgão fiscalizador da elétrica  "natural", defendendo que a polémica em torno do seu nome foi "artificial".

"A votação não teve nada a ver com a seleção das pessoas, mas com grupos  de acionistas não concordarem com a política de formação do conselho geral  e de supervisão: uns consideravam que lá deviam estar representados e outros  consideram que a Three Gorges devia fazer uma OPA geral", declarou.  

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

Economia

Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .