Última Edição

1
0:05

Última Edição

2
16:22

"Não há qualquer tribunal a mais de 59 km do tribunal de origem"

3
2:33

Paula Teixeira da Cruz diz que admite críticas mas não má fé deliberada

4
1:01

Ministra rejeita queixa crime da Ordem dos Advogados sobre o novo mapa judiciário

5
2:35

Novo mapa judiciário custou 39 milhões de euros

6
2:11

Plataforma informática dos tribunais só ficou disponível depois das 18:00

7
2:09

PSD quer um novo mandato para governar a partir de 2015

8
0:39

Miguel Macedo garante que Governo está atento a portugueses entre os jihadistas

9
2:07

Antigo padre da Golegã detido em dezembro de 2013 vai mesmo a tribunal

10
0:39

Tempestades nos EUA fazem pelo menos quatro feridos

11
2:08

Forças ucranianas retiram-se do aeroporto de Lugansk após confrontos

12
1:36

Pirata informático divulga fotos íntimas de celebridades na internet

13
3:04

Filme mais recente de Manoel de Oliveira vai ser exibido no Festival de Veneza

14
2:33

A reabertura do Cinema Ideal em Lisboa

07:39 07.05.2012

Governo e sindicatos da Função Pública voltam hoje à mesa das negociações

(SIC/Aruivo)

O Governo e os sindicatos da administração pública  regressam hoje às negociações, com os trabalhadores apreensivos quanto à  possibilidade de perderem as regalias adquiridas e com o Executivo a dar  sinais de cedência nalgumas matérias fraturantes. 

Desde fevereiro que o secretário de Estado da Administração Pública  e as principais estruturas sindicais têm vindo a reunir-se para discutir  nomeadamente a revisão do Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas  para o harmonizar com as alterações que vão ser feitas ao Código do Trabalho  (como a redução do número de feriados e a introdução do banco de horas individual  e grupal). 

No entanto, e apesar da contestação dos sindicatos (FESAP -- Frente  Sindical da Administração Pública, Frente Comum e STE -- Sindicato dos Quadros  Técnicos do Estado), o Governo tem vindo a acrescentar novas alterações,  à medida que o processo evolui, em particular o regime de mobilidade geográfica,  que já existe mas ao qual o Executivo acrescentou o regime de 'mobilidade  interna temporária' e a possibilidade de rescisão por mútuo acordo. 

No caso das indemnizações, na origem da discórdia entre as partes  está o valor pago pelo Estado e que se traduzirá numa compensação correspondente  a 20 dias de salário por cada ano de trabalho, num máximo de 12 meses, à  semelhança do que vigora no setor privado. 

As reuniões prosseguem na terça-feira, dia em que o secretário de Estado  deverá fazer um balanço das reuniões com os sindicatos. 

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

Economia

Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .