Última Edição

0
0:05

Última Edição

1
0:30

Euclid Tsakalotos não esconde nervosismo com o novo desafio

2
0:23

Primeiro-ministro da Holanda diz que a Grécia tem que decidir nas próximas horas se quer continaur no euro

3
0:41

Varoufakis diz que sai tranquilo do Governo

4
0:24

Hollande e Merkel garantem que continuam disponíveis para negociar com a Grécia

5
2:51

Sul da Europa com reações mais emotivas em relação à vitória do "não" na Grécia

6
0:09

Ministro grego da Economia garante que o Governo vai responder a todas as dúvidas

7
2:13

"Se António Costa fosse primeiro-ministro, tinha corrido a fazer solidariedade ideológica"

8
2:27

Papa Francisco envia mensagem aos portugueses

9
0:47

Maria Barroso deixou a unidade de cuidados intensivos

10
2:22

Casal romeno suspeito de escravizar homem em Portimão durante nove anos

11
1:18

Sporting recebe 100 mil euros com a ida de Nani para o Fenerbahçe

12
0:59

Treze feridos no campeonato norte-americano Nascar

13
3:14

Elenco e realizador do filme "Magic Mike XXL" conversam com a SIC em Londres

07:39 07.05.2012

Governo e sindicatos da Função Pública voltam hoje à mesa das negociações

(SIC/Aruivo)

O Governo e os sindicatos da administração pública  regressam hoje às negociações, com os trabalhadores apreensivos quanto à  possibilidade de perderem as regalias adquiridas e com o Executivo a dar  sinais de cedência nalgumas matérias fraturantes. 

Desde fevereiro que o secretário de Estado da Administração Pública  e as principais estruturas sindicais têm vindo a reunir-se para discutir  nomeadamente a revisão do Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas  para o harmonizar com as alterações que vão ser feitas ao Código do Trabalho  (como a redução do número de feriados e a introdução do banco de horas individual  e grupal). 

No entanto, e apesar da contestação dos sindicatos (FESAP -- Frente  Sindical da Administração Pública, Frente Comum e STE -- Sindicato dos Quadros  Técnicos do Estado), o Governo tem vindo a acrescentar novas alterações,  à medida que o processo evolui, em particular o regime de mobilidade geográfica,  que já existe mas ao qual o Executivo acrescentou o regime de 'mobilidade  interna temporária' e a possibilidade de rescisão por mútuo acordo. 

No caso das indemnizações, na origem da discórdia entre as partes  está o valor pago pelo Estado e que se traduzirá numa compensação correspondente  a 20 dias de salário por cada ano de trabalho, num máximo de 12 meses, à  semelhança do que vigora no setor privado. 

As reuniões prosseguem na terça-feira, dia em que o secretário de Estado  deverá fazer um balanço das reuniões com os sindicatos. 

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Economia

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
23:21
Negociações sobre nuclear iraniano devem terminar hoje
23:21
Poeiras do norte de África previstas hoje em Portugal
23:20
Bancos gregos permanecem encerrados até amanhã
23:20
Ex-presidente francês diz que a Grécia deve sair do euro
23:20
Novo ministro das Finanças grego nasceu em Roterdão e tem 55 anos
23:17
Peça "Caídos do Céu" hoje no Teatro do Montemuro em Évora
23:17
Ciclo "Filmes Mudos Musicados" do Museu da Música termina amanhã
23:01
FBI quer debate sobre a encriptação de comunicações
22:33
Atentado suicida nos arredores de Aleppo mata 25 militares sírios
21:59
Jovem de 16 anos desaparecida desde 6ª feira em Guimarães
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .