Última Edição

0
0:08

Última Edição

1
2:39

Suinicultores apelam ao consumo da carne portuguesa

2
1:23

"Consensos com este PS são impossíveis"

3
2:09

Taxistas voltam a encontrar-se com o Governo na sexta-feira

4
2:30

António Costa quer uma nova relação com os EUA

5
2:43

"O projeto do CDS era uma espécie de gato escondido com o rabo de fora"

6
1:42

Preço do roaming na Europa passa a ser o do país de origem do consumidor

7
1:19

Ex-bancária suspeita de desviar 20 milhões de euros detida pela PJ

8
2:13

Prisão preventiva para cinco dos 16 detidos por suspeitas de tráfico de droga na Guarda

9
1:32

Organização do Rali de Santo Tirso diz que as medidas de segurança foram cumpridas

10
1:08

Número de mortos em derrocada no Quénia aumenta para 14

11
0:36

"Se o Sporting vencer o campeonato, vence-o com toda a justiça"

12
1:07

Pinto da Costa espera que Artur Soares Dias não seja nomeado para a final da taça

13
3:36

Make a Wish concretiza desejos de crianças com problemas de saúde há 36 anos

14
2:36

Quais as consequências do bullying para crianças e jovens?

07:39 07.05.2012

Governo e sindicatos da Função Pública voltam hoje à mesa das negociações

(SIC/Aruivo)

O Governo e os sindicatos da administração pública  regressam hoje às negociações, com os trabalhadores apreensivos quanto à  possibilidade de perderem as regalias adquiridas e com o Executivo a dar  sinais de cedência nalgumas matérias fraturantes. 

Desde fevereiro que o secretário de Estado da Administração Pública  e as principais estruturas sindicais têm vindo a reunir-se para discutir  nomeadamente a revisão do Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas  para o harmonizar com as alterações que vão ser feitas ao Código do Trabalho  (como a redução do número de feriados e a introdução do banco de horas individual  e grupal). 

No entanto, e apesar da contestação dos sindicatos (FESAP -- Frente  Sindical da Administração Pública, Frente Comum e STE -- Sindicato dos Quadros  Técnicos do Estado), o Governo tem vindo a acrescentar novas alterações,  à medida que o processo evolui, em particular o regime de mobilidade geográfica,  que já existe mas ao qual o Executivo acrescentou o regime de 'mobilidade  interna temporária' e a possibilidade de rescisão por mútuo acordo. 

No caso das indemnizações, na origem da discórdia entre as partes  está o valor pago pelo Estado e que se traduzirá numa compensação correspondente  a 20 dias de salário por cada ano de trabalho, num máximo de 12 meses, à  semelhança do que vigora no setor privado. 

As reuniões prosseguem na terça-feira, dia em que o secretário de Estado  deverá fazer um balanço das reuniões com os sindicatos. 

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Economia

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
23:52
António Costa quer uma nova relação com os EUA
23:51
Taxistas voltam a encontrar-se com o Governo na sexta-feira
23:47
John Kerry vai a Genebra em apoio ao cessar fogo na Síria
23:46
Rússia não pedirá a Damasco que cesse ataques aéreos sobre Alepo
23:46
Número de mortos em derrocada no Quénia sobe para 14
23:45
Naufrágio ao largo da Líbia causa 84 desaparecidos
23:43
Governo com novas medidas para minimizar crise no setor leiteiro
23:42
preço do roaming na europa passa ao praticado no país do consumidor
23:39
Suinicultores pedem apoio do Governo para continuarem a produção
22:26
Pinto da costa critica arbitragem de Artur Soares Dias
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .